31 dezembro 2010

16 dezembro 2010

Pai sofre XVI: Esperanças renovadas

Estávamos há cerca de 1 hora à espera da minha colega. Esperávamos naquele serviço para termos a certeza do "se" e do "tempo".
Chamaram-nos.
Pé-ante-pé fomos atrás daquela bata branca. Conversávamos trivialidades pois a senhora era minha conhecida da faculdade. Nós retribuíamos sorrisos ansiosos, de cortesia, já que nossa mente estava noutra.

Ela deitou-se na marquesa e olhou-me por segundos. Pôs-se o mais confortável que pôde e respirou fundo. Uma inspiração de nervosismo. Eu fiquei ali, com um olho nela e outro na máquina, com a esperança vã de compreender o preto-e-branco da tela.

A técnica pegou no aparelho e começou a fazer a pesquisa. Com os olhos fixos no ecrã, procurou o nosso tesouro.
Alguns segundos de demora e lá estava ele. Um pequeno ser mostrou-se, pela primeira vez, àqueles que, sem saber, o criaram.
"Querem ouvir?", perguntou a médica; "olhem, olhem"
Tum-tum, tum-tum, tum-tum (viva o doppler!)
"Já bate!"

Aquele já bate e o meu ia parando...

Vai começar tudo novamente e não existe adjectivo para descrever o que se sente.


Nota: aproveito este post para minha participação no desafio "... e acontecimentos" da Fábrica de Letras

27 novembro 2010

Desconectado


Quando menos se espera ficamos a perceber que a internet ocupa mais tempo do que devia nas nossas vidas. Percebi isso agora que cancelei o contrato que me unia a uma pequena e antiquada "banana" de net móvel.
Ficar sem ligação a este mundo virtual é como permanecer no limbo: não se tem informação instantânea, não se tem contacto com alguns amigos, não se chega ao "correio"....
Até ao momento continuo sem ligação (isto é apenas uma abébia wireless que apanhei pelo ar) e sinto-o como um drogado a injectar sua droga necessária.

Preciso de algum tempo de abstinência para depois voltar ao ataque... com uma ligação melhorada e mais barata!

24 novembro 2010

Luta



Hoje perco minha grevirgindade!!!

13 novembro 2010

Prémio

Os amigos Carlos e o João resolveram (e muito bem ) premiar este estaminé com o prémio dardos.


«O Prêmio Dardos é o reconhecimento dos ideais que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc... que em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, e suas palavras.

Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os blogueiros, uma forma de demonstrar o carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web»

Fico muito lisonjeado dado vir de quem vem e agradeço o gesto.

No entanto, este prémio tem regras. Regras são coisas às quais não me adequo muito bem, mas vou (tentar) cumprir:
As regras:

- Exibir a imagem do Selo no blogue: check!

- Revelar o link do blogue que me atribuiu o Prémio: check!

- Escolher 10, 15 ou 30 blogues para premiar: todos os da barra "concorrência". Não é para despachar mas sim porque considero que "demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, e suas palavras." e só por isso os tenho comigo neste meu espaço.

Bom fim-de-semana a todos

11 novembro 2010

Natureza


"Se quando dás um peidinho morre um golfinho
Atenção ó Greenpeace: hoje é dia de S. Martinho!"

07 novembro 2010

01 novembro 2010

O que serei?

O Francisco Vieira, do "Namorado da Ria", propôs, há algum tempo, um concurso literário no seu blog. Participei com um poema que escrevi há um boa mão cheia de anos atrás e que nunca tinha publicado neste estaminé.
Nota: acho que dava uma boa música rap...

O que serei?!


Sou ainda criança
E perguntaram-me:
“O que queres ser quando fores adulto?”
Pensei e disse:


“Não quero ser professor
Porque não seria respeitado.
Não quero ser médico
Porque tenho medo de advogados.
Não quero ser artista,
Aqui não existe arte
Só se vê lixo, na televisão
Na rádio, em toda a parte.


Eu decidi, não serei polícia
Porque seria mal compreendido,
Seria obrigado a multar
Em vez de prender um bandido.
Não quero ser jurista,
Teria desgosto no tribunal,
Lutaria por justiça
Mas não há justiça em Portugal,
Quem é réu faz o que quer
E amanhã é 1ª página do jornal.


Não quero ser pedreiro,
Serralheiro, pasteleiro,
Carpinteiro, carniceiro,
Carteiro ou outro “eiro”,
Pra quê? Trabalhar tanto
E não ver a cor do dinheiro?
Olho pr’os meus pais
Que trabalham o dia inteiro
Para satisfazer meus anseios
E no fim falta sempre mais.


Teria medo de ser operário
E viver no fio da navalha,
O governo joga a rede
Mas só o pequeno fica na malha.
Não quero ser bombeiro
Perder-me nas chamas dos Agostos.
Não quero ser comerciante
E viver para pagar impostos.
Não terei qualquer profissão,
Qualquer diploma ou ofício,
No país que tenho hoje
Todo o saber é um desperdício.


Não quero ser padre
Porque minha fé é verdadeira.
Não quero ser crítico
Não gosto de dizer asneiras.
Também não serei escritor
No país que esqueceu Camões e Gil Vicente,
Preferem falar inglês
Em vez de português fluente.
Não quero ser digno
Porque seria um otário,
Num país que ama o desonesto
E o conto do vigário.



Ainda não decidi o que quero ser,
Falta ainda muito tempo,
Espero que ao crescer
Não aumente meu desalento,
Ver meu país a perder
A corrida do desenvolvimento
E contentar-se em ser pequeno
Perdendo-se num sentimento
De inferioridade quase obsceno”.

Não, não sei o quero,
Não me apressem
Que sou apenas uma criança
E no futuro quero lembrar-me
Que pelo menos tive infância.


30 outubro 2010

Voltar para casa

Quem acompanha as "coisas" que escrevinho neste papel virtual conhece um pouco do meu mundo. Sabe que eu tenho uma jovem família, conhece a minha profissão e tem noção de que trabalho longe de casa.
Trabalhar longe de casa influencia as outras vertentes do meu mundo e isso reflectiu-se nos textos que escrevi aqui. Basta ver os textos sobre saudade ou sobre as viagens até ao destino de trabalho.
Ficar a semana toda longe de casa exige muito de quem, como eu, é apegado à família. Traz, no entanto, uma coisa boa: o reencontro.
Se tudo já era difícil, agravou-se ainda mais com o surgimento da minha menina. Perder alguns passos na sua evolução é algo que nem todo o dinheiro do mundo poderia pagar.

Há pouco mais de 3 meses escrevi este texto, no qual relatava a minha metamorfose de interno para especialista de Medicina Geral e Familiar. Esta passagem tinha uma dupla importância: 1º - mostrava uma evolução como profissional; 2º (e mais importante) representou a oportunidade de mudar para um local mais próximo de casa.

Depois de um concurso absurdo, protagonizado pelo Ministério da saúde e seus capangas da ARS, esta semana que passou foi a semana da decisão. Foi nesta última quarta-feira que decidi meu futuro local de trabalho.
Após uma burlesca reunião com alguns (verdadeiros e puros) funcionários públicas daquela última instituição, chegara a hora da escolha. Uma a uma as vagas foram sendo escolhidas e aproximava-se a minha vez...

Tudo isto só para dizer que, após 5 anos de distâncias, de viagens, de encontros relâmpago, de imensa saudade, estou, finalmente, voltando para casa!



Mas vou ter saudades na mesma...

27 outubro 2010

Guerra dos sexos (repost)

Pergunta da minha "mais-que -tudo":
Ela: "- Olha, uso um eyeliner ou não?"
Eu:"?"... hum... hã... na sei! E eu, uso extremos ou vou com um 4-4-2?
Ela: "?"...

26 outubro 2010

Tv Cabo vs Catsone

Andaram desaparecidos... bem, se calhar fui eu que, durante meses, rejeitei tudo que fosse número não identificado. No entanto, lá conseguiram apanhar-me desprevenido (no bom sentido, claro).

TV Cabo (TVC): "Bom dia!"
Eu: "Sim?"
TVC: "Aqui fala Fulano. Represento a TVC e gostava de falar com o Sr. Catsone?"
Eu: "Gostava?"
TVC: "Sim."
Eu: "Já não gosta mais?"
TVC: "Sim, pois, ainda gosto..."
Eu: "Mas o Sr. o conhece?"
TVC: "Pessoalmente? Pessoalmente não."
Eu: "Mas gosta dele. Há coisas do catano, não é verdade?"
TVC:" Pois... bem... é com ele que tenho o prazer de estar a falar?"
Eu: "Elá, o Sr. Fulano está a ter prazer comigo?"
TVC: "Ah, ah. Bem disposto."
Eu: "Na verdade não muito. Ando com uma azia do camandro e uns arrotes azedos. Deve ser duma úrsula que trago no duodenes."
TVC: "Desculpe, mas é o Sr. Catsone quem fala?"
Eu: "Perdão, é ele sim."
TVC: "Como estava a dizer..."
Eu: "Está."
TVC: "Como?"
Eu: "O quê?"
TVC: "Não estou a entender..."
Eu: "Você disse que está a comer."
TVC: "Como?"
Eu: "Está a ver. Quero lá saber que o Sr. Fulano esteja a comer?"
TVC: "Desculpe-me, mas parece haver aí algum mal entendido."
Eu: "Onde?"
TVC: "Onde o quê?"
Eu: "Procurei pela sala e não encontrei qualquer mal-entendido."
TVC: "Queria dizer que deve haver alguma confusão."
Eu: "O que é que quer? Hoje faltou-me a mulher a dias!"
TVC: "Ó Sr. Catsone, queria dizer que esta conversa está um pouco confusa."
Eu: "Realmente, este telefonema está um pouco confuso, está. Mas a culpa é sua, não é? E o cliente tem sempre razão. Mas recomece lá a ladainha."
TVC: "Bem, vai me desculpar, mas não é ladainha..."
Eu: "Peço desculpa, se calhar fui um pouco rude. Ladainha não... lengalenga."
TVC: "Ok, Sr. Catsone, como queira. Como estava a dizer..."
Eu: "Está?"
TVC: "Estou?"
Eu: "Parece que sim, pelo menos estou a ouvi-lo."
TVC: "O Sr. Catsone está a brincar comigo?"
Eu: "Brincar consigo? Mas estou a falar para alguma linha erótica? Eu não brinco com qualquer um, compreende?"
TVC: "... desculpe. Isto não está a correr muito bem. Não se importa que liguemos mais tarde e falava com um meu colega?"
Eu: "Importo-me, sim senhor! Agora que começava a gostar de si quer empurrar-me para outro? Vocês são todos iguais!"
Tum-tum-tum-tum

23 outubro 2010

Os monstros

A bocado, assistindo à Sic Notícias, vi a chegada das equipas do PS e PSD para o início da fantuch, peço desculpa, negociação para a viabilização do OE2011.
Ao ver aqueles dois grupos de patet - opá não sei o que se passa comigo hoje - políticos, lembrei-me de uma cena do (grande) "Monsters Inc":



O problema disto tudo é que eu confiaria muito mais numa equipa liderada por "Mike" e "Sully" do que pelos nossos monstros e dinossauros lusos...

20 outubro 2010

Vossa Excelência


Dedicado ao nosso governo e digníssima oposição, às queridas autarquias e juntas de freguesia, às competentes empresas públicas e privadas, ao idóneo futebol e ao chico-espertismo.

Citando eu mesmo: "Político é igual em todo lado: em Portugal, no Brasil ou na Puta-que-os-pariu!"



Vossa Excelência
Titãs
Composição: P. Miklos, T. Bellotto, C.Gavin

Estão nas mangas
Dos Senhores Ministros
Nas capas
Dos Senhores Magistrados
Nas golas
Dos Senhores Deputados
Nos fundilhos
Dos Senhores Vereadores
Nas perucas
Dos Senhores Senadores...

Senhores! Senhores! Senhores!
Minha Senhora!
Senhores! Senhores!
Filha da Puta! Bandido!
Corrupto! Ladrão! Senhores!
Filha da Puta! Bandido!
Senhores! Corrupto! Ladrão!...

Sorrindo para a câmera
Sem saber que estamos vendo
Chorando que dá pena
Quando sabem que estão em cena
Sorrindo para as câmeras
Sem saber que são filmados
Um dia o sol ainda vai nascer
Quadrado!...

Estão nas mangas
Dos Senhores Ministros
Nas capas
Dos Senhores Magistrados
Nas golas
Dos Senhores Deputados
Nos fundilhos
Dos Senhores Vereadores
Nas perucas
Dos Senhores Senadores...

Senhores! Senhores! Senhores!
Minha Senhora!
Bandido! Corrupto
Senhores! Senhores!
Filha da Puta! Bandido!
Corrupto! Ladrão! Senhores!
Filha da Puta! Bandido!
Corrupto! Ladrão!...

-"Isso não prova nada
Sob pressão da opinião pública
É que não haveremos
De tomar nenhuma decisão
Vamos esperar que tudo caia
No esquecimento
Aí então!
Faça-se a justiça!"

Sorrindo para a câmera
Sem saber que estamos vendo
Chorando que dá pena
Quando sabem que estão em cena
Sorrindo para as câmeras
Sem saber que são filmados
Um dia o sol ainda vai nascer
Quadrado!...

-"Estamos preparando
Vossas acomodações
Excelência!"

Filha da Puta!
Bandido! Senhores!
Corrupto! Ladrão!
Filha da Puta!
Bandido! Corrupto! Ladrão!
Filha da Puta!
Bandido! Corrupto! Ladrão!
Filha da Puta!
Bandido! Corrupto! Ladrão!...

19 outubro 2010

O mundo de Sócrates

No mundo de Sócrates tudo é perfeito.
No seu mundo multiplicam-se as luzes e as cores e as pessoas enxugam as lágrimas.
Nesse lugar, a principal virtude é o optimismo e a principal actividade é a representação.
Enquanto fala não existe desemprego, doença, violência, injustiça, pobreza, inflação e o défice existente é o de boa disposição.
No mundo de Sócrates tudo é cor-de-rosa: os sonhos, a vida, o rosé,
o 2º equipamento do SLB, o xarope para a tosse, o nariz e os processos judiciais.
No mundo de Sócrates a oposição, que contracena com ele, não tem juízo. Criticam por criticar, não são responsáveis, não têm ideias, não têm princípios. Se se importassem com o mundo de Sócrates aprovavam todos os devan… perdão, todas as suas ideias, propostas, ilusões e malabarismos.
Sendo Sócrates o actor principal procura sempre ficar por cima dos outros protagonistas.
No mundo de Sócrates acontece tudo segundo o seu guião. Todos os que são contra a actuação de Sócrates não são responsáveis e patriotas. Todos os que não comungam das suas soluções mirabolantes são ignorantes, fascistas e mal humorados. Se Sócrates aprova de certeza que é bom para o
país. É um dogma a decisão de Sócrates.

No mundo de Sócrates tudo é incrível; tudo é indescritível.
Nesse mundo não há tristezas, pelo contrário, a alegria é contagiante. Sócrates transmite risos e boa disposição.

O mundo de Sócrates é o circo…


Imagem aqui

18 outubro 2010

Pai sofre XV - Canções de encantar?

Durante as últimas férias, enquanto passeava os olhos pelo youtube, lembrei-me de mostrar alguns vídeos de músicas infantis à minha menina. O primeiro foi o "doidas andam as galinhas" e ela olhou para aquilo com alguma desconfiança. Pouco a pouco, com o passar dos dias, lá foi tomando o gosto e no fim já me pedia, à maneira dela, para lhe mostrar o vídeo. Foi uma espécie de "primeiro estranha-se, depois entranha-se" e, sem querer, havia "criado um monstro".
Com o 1º aniversário chegaram as prendas em forma de dvd's musicais e, agora, a moça anda viciada naqueles bonecos estranhos que tentam traduzir o que as músicas querem transmitir. Qual ditadorazita, já tem o monopólio do quadrado mágico cá da casa.

Durante a minha longínqua infância ouvia meus pais e avós cantarem o "atirei o pau ao gato". Sempre achei essa uma música de mau gosto. Apesar de não gostar de gatos, não sei o que o bicho fez para que alguém lhe tentasse matar à paulada.
Hoje, os miúdos não só ouvem como vêm essa tentativa de gaticídeo: num vídeo, muito mal feito, um gato desvia-se na hora H de um toro sabe-se lá atirado por quem.
Nesse mesmo vídeo vê-se uma espécie de pulga a morder o pé a uma menina. A tal pulga é chamada maldita, provavelmente por ter consigo a Yersínia...

"Se calhar devo estar a fazer uma tempestade num copo d'água. Vamos lá passar ao seguinte"...
O seguinte é sobre um sapo que tem frio e atravessa uma ponte. A ponte treme e faz com que o sapo caia na água onde é degustado por um jacaré. Tudo isso enquanto a mulher o espera em casa, a fazer rendinha para o casamento. Isso dá um belo enredo para uma novela da TVI.
Aliás os sapos são sempre uns tristes nestas músicas, uma segunda canção com o tema "batráquios" refere a existência de um desses bichos que, para além de ser feio e malcriado, tinha a boca torta.
Um outro fala sobre um galo que cantava muito bem mas que desapareceu sem saber para onde e sem deixar rasto (virou cabidela?).
Depois surge o de um pintinho que subiu a uma pedra, caiu e levou uma palmada da Dª Galinha. O gajo cai, parte-se todo e ainda leva na tromba? Isso, em certos países, dava direito a queixa para a CPFP (Comissão de Protecção de Frangos e Pintainhos).
Mais uma e surge a história do Cravo que brigou com a Rosa, numa clara alusão à violência doméstica, um flagelo no país das musiquinhas infantis.
Ainda uma música do Avô Cantigas... e depois isto:



Que susto!!!


Comecei a ficar preocupado com o conteúdo de violência destas canções e, se tudo já era medonho, não sei explicar o que pensei ao ouvir a música com a seguinte letra:

No alto daquela serra
no alto daquela serra
está um lenço
está um lenço a acenar

Está dizendo viva viva
está dizendo viva viva
morra quem
morra quem não sabe amar

Essa última quadra lembra-me uma ala psiquiátrica.


Vou mas é comprar uns filmes do Chuck, Seagal, Stallone e Van Damme: parecem-me ser bem mais inofensivos...


Adenda: por falar nestas músicas, lembrei-me de uma versão da "Ó Rosa arredonda a saia" que a minha senhora quer que eu evite de cantar perto da nossa moça. Essa versão reza assim:

"Ó Rosa arredonda a saia
Ó Rosa não sejas chata
Ó Rosa arredonda a saia
Que a gente quer ver-te a rata"

Essa versão já me trouxe problemas...

13 outubro 2010

Lenda


Para o desafio "O cheiro da chuva" da Fábrica de Letras:


Lenda

Há muito que não chovia no sertão. Nem uma pinga d'água despejada por São Pedro nos últimos 15 anos.

Naquelas bandas poucos insistiam em cavar terras que há muito deixaram de fazer nascer o que quer que fosse.
O rio sem nome, que cortava a cidade, era um fóssil que deixara de alimentar poços, hortas e expectativas.
A única água do lugar provinha das gotas de suor das gentes que teimavam em cultivar a única coisa verde que ainda existia: a esperança.

Diziam ser maldição adquirida durante as últimas chuvas. Naquela altura chuvadas abundantes quase apagaram a pequena cidade do mapa. Muitos pediram pelo fim da calamidade: oraram, fizeram promessas, imploraram aos céus para que as águas cessassem e elas cessaram… para sempre.

Francisco apareceu nessa enchente. Vinha embrulhado, em tecidos toscos e rasgados, dentro de uma caixa de madeira usada para transportar frutas. Ninguém nunca soube de onde viera o menino e muitos imputavam nele parte das culpas.
Foi adoptado por um casal jovem, ainda sem filhos. Deram-lhe guarida quando todos o queriam devolver às águas do agónico rio da cidade. Resolveram criá-lo, na esperança de que Francisco pudesse ser a cura em vez da doença.

Francisco carregara o fardo de maldito ao longo da infância. Se vissem nuvens carregadas ao longe e as mesmas desaparecessem, Francisco já sabia o que lhe aconteceria e corria para a casa de barro dos pais.
As outras crianças ostracizavam-no. Desejou, por muitas vezes, desaparecer tão misteriosamente como aparecera.

Então, numa copiosa tarde soalheira de Dezembro, uma família retirante chegou à cidade. A família Silva era composta pelo casal e seus 6 filhos. Caminhavam há semanas pelas terras secas do sertão e procuravam descansar por uns tempos no lugarejo. Diziam estar de passagem e que a estadia seria breve.

Nessa trupe nómada morava Etelvina, uma menina de olhos e cabelos negros, pele queimada do sol, que conquistou o triste coração de Francisco.

Os dois conversavam durante horas, sentados às margens do rio seco, observando os montes que cresciam no horizonte longínquo.
Ela falava-lhe das paisagens agrestes que conhecera, do calor abrasador do dia e do paradoxal frio da noite, da fome, da sede, da solidão de uma viagem sem rumo ou destino. Falava-lhe do passado e imaginava um futuro um pouco melhor.
Francisco ouvia-a, apaixonado. Sentia uma comichão estranha que lhe percorria o físico sempre que ela lhe lançava o olhar. Sorvia-lhe cada palavra e saciava o espírito com o seu riso.
Nunca se sentira assim. Por momentos esquecera de onde estava. No seu campo visual não cabia nada que não fosse aquela menina, qual imagem de santa aos olhos do pagador de promessas.
Sentia o corpo a responder de formas estranhas: taquicardia, polipneia, visão turva, mania e uma sensação avassaladora de plenitude. Com Etelvina tudo podia, tudo conquistava, tudo era melhor, não era mais maldito.
Na flor dos seus 15 anos, Francisco sentia-se cada vez mais viciado e precisado da sua dose diária de amor...

Tal como prometido, a família levantou ferro e partiu pouco tempo depois. Foi-se embora ainda o sol era um esboço no céu limpo do sertão.
Francisco, que sonhava com Etelvina, não estava preparado para esse pesadelo.

Ao saber da partida inesperada dos Silva, também Francisco partiu. Fugiu para o isolamento em direcção aos montes, seguindo o rasto do extinto rio e deixando para trás a maldição que residia naquele lugar.


As pessoas vieram a correr. Todas gritavam, agitadas, em estado de ansiedade descontrolada. Anunciavam que o rio voltara a correr, que se fizera um milagre: o rio voltara a nascer sem sinal de pinga do céu, sem o vento e o cheiro característicos da chuva.

Declararam ser um rio de água salgada e baptizaram-no de Rio São Francisco.



Luís Fernandes Lisboa ®

09 outubro 2010

365


Nota: este post vem com mais de uma semana de atraso


Há 366 dias atrás eu não era o que sou hoje. Não era Homem por inteiro, não me conhecia na totalidade, não estava completo.
Há 366 dias pensava eu ter medos: medo da morte, medo da perda, medo de coisas banais.
Há 366 dias achava-me um ser feliz e conhecedor do amor mais puro e profundo.
Há 366 dias tinha certeza de que nada poderia ser mais valioso do que aquilo que possuía.
Há 366 dias não me entendia como indispensável e dava um valor relativo à minha vida. Há 366 dias era apenas mais um.
Há 366 dias atrás o mundo era diferente... tão imensamente diferente...

Tudo mudou há 365 dias.
Atingi a plenitude.
Entendi o que é ter medo, um medo real, imenso e desconcertante, principalmente o medo da perda.
Compreendi que a felicidade não tem limites e é passível de grandes incrementos.
Percebi que, afinal, sou importante e indispensável para a manutenção do bem-estar de alguém ainda mais importante do que eu.
Vi que tudo o que tinha não era nada comparado ao que tenho agora.
E, principalmente, conheci um amor diferente, irracional, inesgotável, inimaginável e tão profundo que não se percebe de onde vem. Um amor que nos molda o espírito e nos muda para sempre.


Há 365 dias completei-me... por agora, quem sabe, num futuro a médio prazo, me possa completar mais uma vez.



Imagem Google

01 outubro 2010

Mezinha

Teixeira dos Santos: "Para tomar estas medidas dormi mal" in Jornal de Notícias

Resolvia-lhe o assunto, Sr. Ministro das Finanças: uma cajadada nas têmporas e via se não dormia com os anjos... era remédio santo.

29 setembro 2010

Palavra do dia

sodomizar | v. tr. e intr.


Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um duplo clique. Experimente!

sodomizar - Conjugar
v. tr. e intr.
Praticar a sodomia.



25 setembro 2010

Cada macaco no seu...

AVISO: este é o post mais longo que alguma vez escrevi neste tasco.


"Doentes vão poder escolher marca do fármaco que compram, diz tutela"in Público

Obviamente que não poderia deixar passar esta notícia em claro. Como é óbvio devo destacar o conteúdo e não a "manchete" em si, já que a mesma não reflecte o que a totalidade do que notícia quer transmitir (o que é perfeitamente normal).

Palavras chave de toda esta situação: "demagogia", "incompetência" e "conluio".

Vamos por partes:

1º Não sabia que tínhamos mais de um secretário de estado da saúde. Ah, ok, o outro é secretário de estado adjunto e da saúde. Está aí um bom exemplo de despesismo: 2 secretários que falam e não dizem (nem fazem) nada direito;

2º Parece que o governo quer que, no fim da consulta, na altura da prescrição, explique o porquê da MINHA escolha por uma marca de genérico em detrimento de outra mais barata. Será que se eu explicar aqui fico livre dessa palhaçada?
Não sei se as pessoas têm conhecimento mas as consultas em contexto de Medicina Geral e Familiar têm um tempo para serem executadas. Durante esse curtíssimo período tenho de falar sobre os problemas, fazer diagnóstico, planos de actuação, educação para a saúde, prognóstico, falar sobre o tempo e das vindimas e passar receituário. Raramente se cumpre o período estipulado porquê existem situações que merecem mais tempo de consulta. Não posso tratar uma gripe da mesma forma que uma depressão, certo? Alguém já parou para pensar numa consulta cujo motivo principal é a solidão? Agora querem que nós gastemos tempo a justificar o desnecessário, o supérfluo e o que não interessa.
As pessoas não gostam de esperar, mas querem que a consulta da vizinha seja o mais célere possível, e o pior que se pode ter é uma sala de espera insatisfeita...

3º Os genéricos: o que é preciso para ter uma marca de genéricos em Portugal? Bem é preciso ter um nome, por exemplo: Genéricos Catsone. Aprovada a marca, encomenda-se a um laboratório qualquer um lote de um determinado medicamento, por exemplo: Ibuprofeno. Depois propõem-se um preço ao Infarmed e se aprovado, tcharam, temos o Ibuprofeno Catsone. Isto é uma caricatura, provavelmente não será assim tão simples (ou não seríamos o país dos burocratas) mas não deverá andar longe.
Portugal é o país com mais marcas de genéricos. Vejam bem que eu disse "marcas", não disse laboratórios, e isso não é a mesma coisa. Posso confiar nesses? Nunca os vi, não sei o que me oferecem, se têm estudos. O que é mais barato nem sempre reflecte qualidade. A Renault e a Dácia são do mesmo grupo, terão a mesma qualidade?
No entanto, existem laboratórios de genéricos (verdadeiros laboratórios que produzem medicamentos) que fabricam até para empresas emblemáticas como Bayer, Pfizer ou MSD. Nesses eu confio. Aos laboratórios portugueses eu dou prioridade.
Depois há a questão dos delegados de propaganda médica. Quando recebo um delegado espero que este me mostre o seu produto. No caso dos delegados de empresas de genéricos, existe um documento/estudo que me interessa particularmente: o estudo de bioequivalência. Esse estudo vem mostrar que o medicamento genérico comporta-se exactamente da mesma forma que o produto original. Como posso confiar num genérico que não o tem?
Existem laboratórios que não enviam delegados ao meu encontro, terão algo a esconder? Será para poupar em pessoal? O que oferecem esses às farmácias?
Podem dizer-me: "A e tal, o INFARMED aprovou é porquê está dentro dos parâmetros", e estará realmente?

4º Existem moléculas cujo genérico não consegue obter a mesma actividade no organismo; um exemplo: furosemida. E outros exemplos há, podem dizer o que quiserem mas nós, que trabalhamos não com a venda mas com os resultados das substâncias, temos alguma noção daqueles que melhor funcionam.

5º Como posso confiar numa marca branca de uma marca de genéricos? Sim, existem. Será que trazem a dose indicada? Deixem-me ver, a empresa que fabrica o genérico X ainda pode fazer um genérico mais barato? Hum...

6º Vamos deixar o doente escolher o seu medicamento? Quando chegar à farmácia é mesmo isso que vai acontecer?
"Olhe, tem estas marcas de clopidogrel e de flucloxacilina. Agora escolha."
"Clopidóquê? "
Infelizmente, o analfabetismo é comum em localidades rurais e já vi não uma, nem 10 vezes, idosos a tomar a mesma medicação em duplicado porquê na farmácia lhe trocaram a marca do genérico a que estava acostumado.
Será que as pessoas sabem o que é explicar a forma de tomar a medicação a um idoso de 85 anos, que não sabe ler, que ouve e vê mal, já com algum grau de demência e com 6,7, 8 ou mais substâncias diferentes? Terão todas as instâncias preparadas para, de cada vez que o senhor levantar a medicação, esperarem (com paciência) que o "cliente" escolha todas as caixas?

7º Será que essas pessoas andam no terreno? Será que sabem o que é trabalhar num local afastado da cidade, onde dominam poderes deveras obscuros? Será que pensam que os médicos, enfermeiros e outros agentes da saúde não têm mais nada para fazer?
Quem é que legislou os medicamentos genéricos de graça há 1 mês das eleições? Quem é que hoje está à rasca porquê essa lei foi um tiro no pé e agora não tem financiamento para a honrar? A culpa será também minha que tenho uma prescrição de genéricos acima dos 50%?

8º Falar numa situação dessas numa cerimónia que assinala o Dia do Farmacêutico e poucos dias depois de baixarem a margem de lucros das farmácias e a comparticipação aos cidadãos? Então, estão a brincar? Batem e depois sopram e dão miminhos?

9º Gosto da generalização que fazem quando dizem que os médicos estão de conluio com os laboratórios. É exactamente isso que penso quando aquele senhor idoso, de que falei atrás, vem à minha consulta: "deixa-me tirar a choruda pensão ao velhote! Eh, eh, eh...".
Ninguém me conhece ou sabe a forma e como trabalho, mas aquele idoso terá o melhor que posso fazer dentro das minhas capacidades, isso garanto.
Não admito que me comprem com canetinhas, livros ou participações em congressos.
Não admito que ninguém, seja ministro, secretário de estado, colega, farmacêutico ou comentador de jornais online, venha me incluir no lote dos privilegiados por laboratórios ou ponha em causa a minha honra profissional.
Não tenho culpa de ser médico e estar metido no meio dessa podridão cuja pessoa mais prejudicada é o utente/doente.


10º Eu não viajo à pala para nenhum lugar!

Há pessoas que têm a medicina que merecem...

23 setembro 2010

Pai sofre XIV - Lombalgia


Chegou uma época temida cá por casa: a tentação de andar.

Nunca pensei seriamente na liberdade que o acto de andar nos dá. Podermos nos levantar e ir para onde quisermos, pormos-nos em bicos de pé para alcançar algo ou correr representa grande parte da condição de ser humanos. Sempre me aterrorizou a hipótese de perder este poder e assusta-me tomá-lo como um dado adquirido.
Agora, imagine-se a descoberta desta habilidade multiplicada pela imensa curiosidade de quem tem quase um ano de idade? Pois...

Cada vez que chego a casa o que mais me apetece fazer é agarrar a minha menina e espetar-lhe um daqueles beijos que detestava que os adultos me dessem quando era criança. Quero espremê-la contra mim e tentar recuperar o tempo perdido ao longo da semana. No entanto, agora existe um pequeno problema: ela não está para aí virada.
A primeira coisa que ela faz quando a pego ao colo é apontar para o chão. Quer pôr-se de pé e vasculhar, à toda velocidade, todos os recantos da casa (até nos impossíveis do pai caber). Tudo seria maravilhoso se ela, por ventura, já o fizesse sozinha e não precisasse que o pai dela lhe agarrasse as mãos.

Lá vai a moça a rir-se segura pelas mãozitas por um pai curvado qual "Quasimodo" lusitano.
A situação é grave já que para ela tudo é novo, mesmo naquele corredor no qual acabamos de passar. Há sempre um detalhe, um objecto, uma sombra que merece uma investigação à polícia científica. Se encontrou um pedaço de plástico vermelho há que sentar, tentar ver se funciona, se parte contra a parede ou se sabe a algo bom e, depois de tudo testado, abandoná-lo a um canto e voltar a andar novamente, mesmo contra a vontade do pai.

Minutos passados assim e preciso urgentemente de uma massagem tailandesa. Até faço essa proposta à mãe cá de casa mas, tal como a filha no caso dos abraços, ela também não está para aí virada.

Um minuto passado horizontalmente no chão duro da sala e ouço as lamúrias de alguém que não se contenta mais em estar sentada e cujos brinquedos convencionais deixaram de fazer sentido... e o circo volta a estar montado.

Estou a precisar de uma destas:

Foto google

(Diazepam 10 mg 1/2 + 1 e Paracetamol 3id + duche quente no lombo e repouso)

22 setembro 2010

Perfeição (re-post)

Sempre que ando com o espírito suíno retiro este CD da estante e concentro-me na música "perfeição". Funciona como uma forma de exorcismo de problemas e mau-humor; respiro fundo e a coisa melhora... pelo menos um pouco.

Perfeição

Vamos celebrar a estupidez humana
A estupidez de todas as nações
O meu país e sua corja de assassinos
Covardes, estupradores e ladrões
Vamos celebrar a estupidez do povo
Nossa polícia e televisão
Vamos celebrar nosso governo
E nosso estado que não é nação
Celebrar a juventude sem escolas
Crianças mortas
Celebrar nossa desunião
Vamos celebrar Eros e Thanatos
Persephone e Hades
Vamos celebrar nossa tristeza
Vamos celebrar nossa vaidade
Vamos comemorar como idiotas
A cada Fevereiro e feriado
Todos os mortos nas estradas
Os mortos por falta de hospitais
Vamos celebrar nossa justiça
A ganância e a difamação
Vamos celebrar os preconceitos
O voto dos analfabetos
Comemorar a água podre
E todos os impostos
Queimadas, mentiras e sequestros
Nosso castelo de cartas marcadas
O trabalho escravo
Nosso pequeno universo
Toda a hipocrisia e toda a afectação
Todo roubo e toda a indiferença
Vamos celebrar epidemias:
É a festa da torcida campeã
Vamos celebrar a fome
Não ter a quem ouvir
Não se ter a quem amar
Vamos alimentar o que é maldade
Vamos machucar um coração
Vamos celebrar nossa bandeira
Nosso passado de absurdos gloriosos
Tudo que é gratuito e feio
Tudo o que é normal
Vamos cantar juntos o hino nacional
A lágrima é verdadeira
Vamos celebrar nossa saudade
E comemorar a nossa solidão
Vamos festejar a inveja
A intolerância e a incompreensão
Vamos festejar a violência
E esquecer da nossa gente
Que trabalhou honestamente a vida inteira
E agora não tem mais direito a nada
Vamos celebrar a aberração
De toda a nossa falta de bom senso
Nosso descaso por educação
Vamos celebrar o horror
De tudo isso
Com festa, velório e caixão
Está tudo morto e enterrado agora
Já que também podemos celebrar
A estupidez de quem cantou esta canção
Venha, meu coração esta com pressa
Quando a esperança está dispersa
Só a verdade me liberta
Chega de maldade e ilusão
Venha, o amor tem sempre a porta aberta
E vem chegando a primavera
Nosso futuro recomeça:
Venha que o que vem é perfeição...

Legião Urbana


18 setembro 2010

(Des)motivado

Image from Google


Tenho andado desmotivado.
Cena difícil de explicar sem ser pessoalmente, numa conversa com um café (ou dois, ou três, ou...) à beira.
Como é possível manter a boa disposição se se está longe de quem se gosta, quando as perspectivas futuras não são as melhores, quando se é "otário" num mundo de "chicos-espertos", ...?
Ando tão "sem saber como" que deixeis de ter vontade de escrever, de ver meus colegas da blogosfera, deixei de ter paciência para queixumes sem sentido.

Ligo a televisão e vejo gentes sorridentes a dizer que o futuro é risonho, mas o que vejo é um tragédia grega em anfiteatro ao ar livre, em dia de inverno, com o céu pronto a nos brindar com uma chuva tristonha...

Se fosse mulher diria que estava naqueles dias.

Valha-me a minha filha a gatinhar, a rir e a gritar enquanto a persigo pela sala de estar.

13 setembro 2010

Canibalismo porcino

Ao passar pela Mealhada vislumbrei o seguinte cartaz de um restaurante e que me deixou a pensar:

Um porco sorridente a segurar uma bandeja de (provavelmente) leitão? Não será o mesmo que um Homem a oferecer uma porção de bebé tostadinho?

Aí está uma mascote sórdida, dass.

06 setembro 2010

Respons(h)abilidade

"Sócrates: «Exige-se responsabilidade e não imaturidade»" in TVI

Já escrevi neste blog, mais do que uma vez, que este governo é óptimo em fazer publicidade. Este nosso querido PM é o "garoto-propaganda" deste executivo exímio em Marketing.

Ver o discurso do senhor PM e não esboçar um sorriso é não ter um pingo de bom humor. Nesse longo monólogo de reentré política (a 2ª!) o que mais se ouviu foi a palavra responsabilidade.


responsabilidade | s. f.


responsabilidade
s. f.
Obrigação de responder pelas acções próprias, pelas dos outros ou pelas coisas confiadas.


Bem, parece-me que o senhor PM não está familiarizado com a definição de "responsabilidade".
É ser-se responsável alguém que permite que o emprego chegue aos 11%, quando até se prometeu a criação de 150000 novos empregos em 4 anos?
É ser-se responsável alguém que permite, ao contrário dos outros "PIGS", que a despesa pública cresça em vez de diminuir?
É ser-se responsável permitir que 1 bilião de dívidas fiscais prescrevam?
É ser-se responsável embandeirar em arco um crescimento trimestral de 0.2% (1/5 da média europeia e 1/10 da Alemanha)?
Já não falo das responsabilidades ignoradas a outros níveis...


Lembro-me de, no ano passado, assistir a um debate entre o Engº Sócrates e o Secretário Geral do Bloco de esquerda, Francisco Louçã. Confesso que, na altura, era o debate que mais esperava e o que causava mais curiosidade.
Desilusão.
Francisco Louçã foi um cordeirinho na mão de um predador político. Sócrates é como os príncipes que são criados de pequeninos para, no futuro, ocuparem o lugar de rei. O PM foi incubado, treinado para estar no lugar que ocupa e aproveitou-se (com primazia, diga-se de passagem) de uma fraqueza existente no programa eleitoral do seu opositor de debate.
Que fraqueza era essa? Que ponto foi explorado até não mais pelo PM? O que foi tão batido que Louçã perdeu o pio? O que o deixou tão perplexo e sensibilizado?
O ponto da discórdia era a diminuição das deduções fiscais para gastos com saúde e educação. Louçã defendeu-se com a seguinte justificação: se o estado fornece bom serviços públicos de saúde e educação não há justificativa para as pessoas optarem pelo privado e,se o fazem, devem arcar com as custas. A meu ver uma boa defesa... se o estado fornecesse bons serviços de educação e saúde (o que, em alguns locais do território, não acontece, infelizmente).
Sócrates atacou, ironizou, ridicularizou, fez as cenas trágico-cómicas que está tão habituado: "como é possível? E o senhor diz-se de esquerda? Quer retirar benefícios à classe média? Como é possível".
Caía por terra a minha vã esperança de ver alguém dar uma tareia ao Engº.

Agora, passados alguns meses, o que é que aquele homem perplexo, incomodado, ferido na sua honra socialista, quer fazer?

"O PS quer que os portugueses paguem mais do seu próprio bolso pela saúde e educação. O PSD quer que se pague pelo menos o mesmo." in Jornal de Negócios

Pois é, RESPONSABILIDADE parece não ser o forte do PM.

05 setembro 2010

Monopoly Portugal

Para o desafio de Setembro da Fábrica de Letras:



Imagem aqui

Estive a jogar Monopoly.
Comecei na casa de partida e recebi dinheiro, não sei bem de onde e muito menos porquê, a fundo perdido.
Iniciei a minha participação e logo comprei algumas propriedades em Lisboa e um terreno na Faria Guimarães, no Porto, a partir de leilões das Finanças e após conversas, off-record, com colaboradores de um banco público.
Continuando o jogo, consegui acções da companhia de electricidade. Como se tratava da única companhia do género achei que seria um bom negócio. Ora, segundo informações fidedignas, as acções até iriam subir após a minha aquisição. Tornei-me accionista maioritário e aumentei o preço da energia aos jogadores que, inadvertidamente, contratavam o serviço. Mais tarde, por sorte (e contactos vários) obtive a maioria das acções da companhia das águas.
Logo a seguir, consegui angariar mais algum dinheiro da Caixa Geral de Dep... peço desculpas, Caixa da Comunidade. Disseram-me que tinha havido um erro do banco a meu favor e depositaram, na minha conta à ordem, alguns milhões sem importância. Com essa verba adquiri mais algumas propriedades na capital, no Porto e em Coimbra.
Entretanto, em algumas jogadas de mestre, lá consegui saber da privatização da companhia de comboios e assumi o controlo de todas as estações disponíveis, o que me deu um grande jeito e um enorme lucro.

Nesse momento, tornava-me o jogador que mais lucrava no jogo mas tive um pequeno contratempo: começava a chamar a atenção e, após algumas denúncias (e um pouco de azar nos "dados" apresentados) fui parar à prisão. Porém, graças a um cartão providenciado por altas instâncias, vi-me livre da cadeia sem precisar sequer de um advogado.

Posteriormente, e resolvido quele quiproquó, decidi construir casas e hotéis em todas as minhas propriedades. Graças a uns amigos na Câmara de Lisboa, do Porto e de Coimbra, consegui que todos os projectos que propus fossem aprovados sem grandes contratempos ou alaridos, e mesmo contra algumas votações em câmara de vereadores. Nada como um bom e$tímulo para $e tomem $ábias deci$ões.

Estava no topo, ninguém podia contra mim, pouco a pouco fui eliminando os adversários e o futuro de riqueza mantinha-se risonho.

Mas foi então que aconteceu o pior.
Ninguém gosta de ser passado para trás, principalmente pelo melhor amigo.
Ninguém gosta de ser enganado, extorquido e, depois de tanto trabalho, perder tudo o que amealhou com muito esforço.
Ninguém gosta de ser traído...

Tive de ajustar contas e pagar por alguns "erros" que cometi:


Mas não me dei por vencido: processei-o, fiquei com o resto dos seus bens e mantive-me altivo e confiante rumo ao monopólio Portugal.

Luís Fernandes Lisboa ®

30 agosto 2010

Esta semana...


Férias, 2º round

26 agosto 2010

"Mudasti" o caral"#!!!

ATENÇÃO: o texto que se segue pode, por ventura, ferir susceptibilidades. Nele podem encontrar palavras que existem no dicionário, são usadas com frequência, mas que causam elevado prurido a determinados ouvidos/olhos.
O leitor fica avisado: avançar fica por sua conta e risco.


Já não bastava este país (e o mundo) estar inundado de propaganda, publicidade, marcas, mercados e vontades. Já não bastava a língua portuguesa ser sujeita à cargas de porrada, crises e acordos ortográficos sem sentido. Já não bastava isso e agora uma empresa de bebidas quer, à força toda, incluir uma palavra no dicionário da língua de Camões?

Foto retirada daqui

"Mudasti" é uma palavra parva, estúpida, idiota e desprovida de qualquer sentido ou utilidade. Ouvir "mudasti" soa pior do que ouvir alguém dizer "então, mudastes de casa?" ou "'tás moreno, apanhastes muito sol?".
"Mudasti" é lixo, não serve para nada, é uma tentativa de passar uma mensagem subliminar: "bebe o nosso ice-tea". Porquê não aportuguesam a palavra "ice-tea"? Podia ser aisseti, não? Ah, mas lembra o refresco da concorrência, certo? Então pode ficar "chá gelado".

Alguém já viu os cromos que aparecem no comercial que visa convencer a malta a assinar a petição em prol da palavra? É cada um mais esquisito que o outro! Se calhar já usavam "mudasti" na maioria das frases que incluíssem o verbo "mudar". Se calhar também dizem treuze, ou há-des, ou camion...
Um dos personagens diz que ninguém usa as palavras manducar e cachinar nos dias que correm . No entanto, baseando-se no seu uso por aí, vamos ter de inserir o treuze, o camion, a úrsula, aiágua, entre outras e uma nova forma de conjugação verbal para aceitar o "tu mudastes", o "tu ouvistes" ou o "tu chibastes".
Vejam lá, "coirato" não está no dicionário! Defendam lá a porra do "coirato"!!!

Ó amigos da Nestlé e da Coca-Cola Company, "mudasti" não é português, pá. Português legítimo tem "cona", "foder" e "puta-que-os-pariu", ditos com a boca cheia e com orgulho em ser labajão (ops, outra que não está no dicionário)!


"Mudasti" está bom para tipos como estes:




"Mudasti"? "Mudasti" o caralho!!!

Assinem esta petição!

22 agosto 2010

Pai sofre XIII - Brinquedos, objectos vários e nódoas negras

A minha menina já vai nos (quase) 11 meses. Já senta, tenta levantar-se, pede coisas e, principalmente, explora qualquer objecto que esteja ao alcance das mãos com a energia proporcionada pela curiosidade própria de quem vê tudo pela primeira vez.

O interesse que uma criança tem, nesta fase, por um objecto é tão efémero como a semi-vida de um fotão. Num segundo está interessada numa boneca e, no segundo imediato, passa a atenção ao comando da televisão.
Quando digo "atenção e exploração" falo em "agarrar com toda a força, apertar tudo o que seja parecido com um botão e balançar o objecto na esperança que se desfaça e se possa ver o que traz por dentro". Nesse curto espaço de tempo o objecto, e quem esteja por perto, sofre as passas do Algarve: é batido, chocalhado, apalpado, enfiado em buracos, mordido e atirado o mais longe possível para logo ser pedido novamente e recomeça o processo.

No entanto, uma forma de exploração que ganha uma predilec
ção por parte da minha menina é o "bater contra a cabeça, face e afins do pai até que ele se queixe, desvie ou desmaie".
Já conheço a maioria dos brinquedos da minha filha pelo tacto, e não é o tacto superficial, é o profundo, à alta velocidade e doloroso. Se as minhas nódoas negras fossem fósseis atrairiam inúmeros arqueólogos. Não são pegadas de dinossauros mas tem um padrão semelhante e espalham-se por uma área considerável, sobretudo no cocuruto.

À medida que se aproxima a idade de gatinhar/caminhar começa a ser al
go perigoso ter objectos a menos de 1 metro do chão; é que antes de se testar se partem no chão, parece que a resistência dos mesmos tem de ser testada na testa do pai!

Com o aparecimento dos dentes as mães queixam-se das mordidelas nos mamilos. Experimentem lá levar com uma caixa de música qualquer no nari
z ou um boneco nos "países-baixos"!
E a tendência é piorar...



21 agosto 2010

E viva o touro!



Touro! Touro! Touro!

Bis, Bis! Isso sim é um espectáculo...





Deprimente!

20 agosto 2010

Tecnobol

É impressionante como o futebol também evolui e a velocidade de pensamento dos jogadores é cada vez mais célere.
Benza Deus!


(montagem com fotos do google)

19 agosto 2010

Who let the dogs out?

Sou só eu que acha que ter o Augusto Santos Silva como Ministro da Defesa representa um elevado risco de golpe de estado?

14 agosto 2010

Dead man

Para o desafio "Uma longa viagem..." da Fábrica de Letras:



Dead man

Carlos estava preso. Tinha sido encomendado à morte e aguardava agora ansioso para lhe encontrar a foice. Estava cansado de esperar e a angústia lhe apertava o coração agónico.

Levantou-se naquela manhã para espreitar o longo corredor que via da pequena janela da porta; mal conseguia ver onde terminava. Disseram-lhe que seria por ali que passaria pela última vez. Sentiu um previsível nó no estômago, mas não resistia a essa investigação diária do seu último caminho, como se perguntando se ainda estaria lá.

Pensava muito na sua sentença. No início sentiu uma revolta enorme. Sentira-se sempre inocente e vociferou contra aquela injustiça. Agora, passados alguns meses, depois de meditar e conversar com aquelas paredes brancas, reconhecia a sua culpa. Já não adiantava chorar, bater com as mãos no colchão duro ou com a cabeça nas paredes. “O que está feito, feito está”, e rendeu-se…

Estava decrépito, exausto, perdera o apetite e, ao observar-se no espelho, também o amor próprio.
Restava-lhe aguardar até que o carrasco lhe viesse buscar.

Nessa mesma manhã esperava pela visita do melhor amigo, e advogado pessoal, Dr. Dias. Ansiava por esse contacto semanal como alguém, perdido num deserto, anseia por um oásis.
“Olá Carlos. Como está?”, sussurrou-lhe ao ouvido durante um longo abraço.
“Ó Dias, uns dias mau, outros pior. Há períodos em que não me conformo mas, mesmos esses, são cada vez mais raros. Estou farto de esperar e é isso que dói! As tuas visitas lá me vão elevando um pouco a moral”
“Amigo, folgo em saber que, pelo menos para isso, posso ser útil”
“Dias, falaste com os daqui? Ainda posso ter esperanças?”
“Carlos, falei com o Dr. Vasconcelos. Não há grande esperança e, embora não possa ser preciso quanto à data, não tens muito mais tempo.”
“Porra, pá! Então que cumpram logo essa sentença!”
“Sabes que essas coisas não são assim. Existem ordens Superiores… vais ter que te aguentar”
Depois de mais alguns minutos de conversa, os amigos despediram-se:
“Ainda te volto a ver, Dias?”
“Posso não estar aqui quando te fores…”
“Deixa estar, amigo, levo-te no coração na mesma” e sorri em despedida.

Carlos acordou a meio da noite em sobressalto. À sua volta 5 pessoas lhe tentavam manietar. Quatro deles lhe seguraram os membros enquanto outro lhe injectara algo nas veias.
E sentiu tudo à roda, pouco a pouco deixou de resistir. Tinha dificuldades em respirar e mal ouvia o coração: Deixou-se ir.
Os 5 mantinham-se à sua volta, controlando seus sinais vitais, até que Carlos, finalmente, encontrou a foice.

“Estou? Posso falar com o Dr. Dias?”
“É ele mesmo. Quem fala?”
“Olá, Dr.. Aqui é o Dr. Vasconcelos. Tenho a informar que o Sr. Carlos faleceu esta noite.”
“Meu Deus, não me diga…”
“Ainda tentemos reanimá-lo. Injectamos alguns fármacos endovenosos, mas nada. Sabe como é, o Sr. Carlos estava em fase terminal, certo? Infelizmente, é o nosso dia-a-dia aqui nos Paliativos. Sinto muito. Continuação de bom dia”.

Nessa tarde, Carlos percorreu o tal corredor muitas vezes, por ele, observado.
E foi o início da sua última e mais longa viagem...

Luís Fernandes Lisboa ®

12 agosto 2010

Só tenho tempo para isto...

...postar alguns vídeos de música:









01 agosto 2010

Afinal...

Sem saber para onde ir nestas férias? Vá para Cona!



30 julho 2010

Feio é morrer


Este senhor da foto era forte e era o Feio. O Tóni, o António ou o Zé da Trincha. O Tóni foi um exemplo de força nestes últimos tempos; de força numa luta desigual. Acabou por perder a batalha mas fez frente à malvada e vendeu cara a derrota.
Tive a sorte de o ver, a ele e ao seu grande amigo JPG, no teatro José Lúcio. Nessa altura já se sabia da doença e mesmo assim o espectáculo aconteceu, num exemplo de profissionalismo e dedicação ao seu público.


No ano passado, enquanto estava de férias, morreu Solnado. Este ano, enquanto estou de férias, morreu o Feio.
Nunca mais tiro férias ou corro o risco de perder as poucas pessoas que me fazem rir.

Até sempre, Tóni!

Dieta mental

Uma amiga enviou-me o texto seguinte e eu não quis deixar passar sem o publicar neste obscuro estaminé.
Também eu apoio uma dieta mental... e estou a praticá-la:

"A Obesidade Mental - Andrew Oitke

Por João César das Neves - 26 de Fev 2010

O prof. Andrew Oitke publicou o seu polémico livro «Mental Obesity», que
revolucionou os campos da educação, jornalismo e relações sociais em geral.
Nessa obra, o catedrático de Antropologia em Harvard introduziu o conceito
em epígrafe para descrever o que considerava o pior problema da sociedade
moderna.
«Há apenas algumas décadas, a Humanidade tomou consciência dos perigos
do excesso de gordura física por uma alimentação desregrada.
Está na altura de se notar que os nossos abusos no campo da informação e
conhecimento estão a criar problemas tão ou mais sérios que esses.»
Segundo o autor, «a nossa sociedade está mais atafulhada de preconceitos
que de proteínas, mais intoxicada de lugares-comuns que de hidratos de
carbono.
As pessoas viciaram-se em estereótipos, juízos apressados, pensamentos
tacanhos, condenações precipitadas.
Todos têm opinião sobre tudo, mas não conhecem nada.
Os cozinheiros desta magna "fast food" intelectual são os jornalistas e
comentadores, os editores da informação e filósofos, os romancistas e
realizadores de cinema.
Os telejornais e telenovelas são os hamburgers do espírito, as revistas e
romances são os donuts da imaginação.»
O problema central está na família e na escola.
«Qualquer pai responsável sabe que os seus filhos ficarão doentes se
comerem apenas doces e chocolate.
Não se entende, então, como é que tantos educadores aceitam que a dieta
mental das crianças seja composta por desenhos animados, videojogos e
telenovelas.
Com uma «alimentação intelectual» tão carregada de adrenalina, romance,
violência e emoção, é normal que esses jovens nunca consigam depois uma
vida saudável e equilibrada.»
Um dos capítulos mais polémicos e contundentes da obra, intitulado "Os
Abutres", afirma:
«O jornalista alimenta-se hoje quase exclusivamente de cadáveres de
reputações, de detritos de escândalos, de restos mortais das realizações
humanas.
A imprensa deixou há muito de informar, para apenas seduzir, agredir e
manipular.»
O texto descreve como os repórteres se desinteressam da realidade
fervilhante, para se centrarem apenas no lado polémico e chocante.
«Só a parte morta e apodrecida da realidade é que chega aos jornais.»
Outros casos referidos criaram uma celeuma que perdura.
«O conhecimento das pessoas aumentou, mas é feito de banalidades.
Todos sabem que Kennedy foi assassinado, mas não sabem quem foi
Kennedy.
Todos dizem que a Capela Sistina tem tecto, mas ninguém suspeita para que
é que ela serve.
Todos acham que Saddam é mau e Mandella é bom, mas nem desconfiam
porquê.
Todos conhecem que Pitágoras tem um teorema, mas ignoram o que é um
cateto».
As conclusões do tratado, já clássico, são arrasadoras.
«Não admira que, no meio da prosperidade e abundância, as grandes
realizações do espírito humano estejam em decadência.
A família é contestada, a tradição esquecida, a religião abandonada, a cultura
banalizou-se, o folclore entrou em queda, a arte é fútil, paradoxal ou doentia.
Floresce a pornografia, o cabotinismo, a imitação, a sensaboria, o egoísmo.
Não se trata de uma decadência, uma «idade das trevas» ou o fim da
civilização, como tantos apregoam.
É só uma questão de obesidade.
O homem moderno está adiposo no raciocínio, gostos e sentimentos.
O mundo não precisa de reformas, desenvolvimento, progressos.
Precisa sobretudo de dieta mental.»

22 julho 2010

Pai sofre XII - Babyfather



"Your daddy love come with a lifetime garantee"

Tão verdade.

21 julho 2010

Abanca

"Crédito malparado sobe, depósitos descem" in Expresso

Coitaditos dos bancos: emprestam o dinheiro e depois não lhes pagam, ninguém mais investe em poupanças e produtos bancários...
Estão mesmo em crise, probezitos! Quase falidos, mas... hum...

"Lucro do BPI aumenta 11,8% para 99,5 ME no primeiro semestre" in Lusa


Ei, esperaí!!!

20 julho 2010

Descoberta


Em resposta ao desafio "Disparou" da Fábrica de letras:

A descoberta

Pedro entrou na casa-de-banho e trancou a porta à chave.

Tinha ouvido zuns-zuns na escola. Os colegas de turma falavam entre-dentes de coisas que faziam a eles próprios. Era algo que tinham aprendido há pouco tempo e comentavam em meio à galhofada.
Pedro ainda não pertencia ao grupo. Procurou perceber o procedimento. Perguntou como quem não quer a coisa a colegas de classe, em meio a aulas mais chatas, mas todos viravam o rosto e sorriam. Pareciam tontinhos e não transmitiam a informação que queria.
Demorou cerca de 2 semanas até encontrar um colega que abrisse o jogo. Era um daqueles indivíduos menos populares, que não tinha nada a perder, e, por isso, não tinha pudor em dizer o que se passava.
Pedro tomou atenção a tudo. Achou estranho e sentiu-se incomodado com o protocolo mas decidiu ouvir até ao fim.
Foi para casa a pensar naquilo.

E lá estava ele a olhar-se no espelho: cara de pateta + angústia.
O coração a mil por hora associado a um estômago embrulhado.
Despiu-se e olhou para baixo. Viu o penduricalho ali à mão de semear e começou a executar as instruções:
"Bem, ele disse que fazendo assim...", teve uma espécie de vergonha de apanhar o pequeno amigo que há 13 anos andava ali escondido nas cuecas, "agora puxo esta pele para trás e... elá, o qué isso?!" teve a sua primeira erecção.
Continuou a manusear, fechou os olhos e pensou em "coisas" indefinidas.
Passados 39 segundos disparou...
Um êxtase nunca antes sentido invadiu-lhe o corpo. Quase caiu de costas. Tremeu dos pés ao mais alto dos cabelos arrepiados que enfeitavam o cucuruto.
Olhou-se novamente no espelho. Viu olhos castanhos esbugalhados encrustados numa face imbecilóide, misto de espanto e de algo estranho e que os outros chamavam "prazer"; depois sentiu vergonha de si próprio, num sentimento de pecado e arrependimento... que durou 2 minutos até voltar à nova investida.

10 anos depois:
Pum-Pum-Pum na porta da casa-de-banho:
"Mas qué que se passa aí?"
"Nada, mãe! Já estou a sair!"
Nunca mais parou...

Luís Fernandes Lisboa ®

12 julho 2010

Pearl Jam

Tenho que falar do concerto de Sábado, dar a minha versão das 2 horas de viagem, mas não tenho tido tempo. Deixo este vídeo como "Teaser"(não é à toa que o Eddie diz q nós somos os que melhor o acompanham nas músicas):

08 julho 2010

Hibernação II

Há cerca de 4 anos e meio publiquei neste blog um texto que tentava reproduzir a epopeia que representou o fim do meu curso.
Hoje reedito-o e publico-o novamente.
Faço-o porquê nestes últimos 3 meses senti-me como naquela altura e porquê este período foi deveras difícil, tão difícil que deixei de fazer muitas coisas de que gosto: escrever, ver (e jogar) futebol, estar com a família e, principalmente, brincar com a minha filhota (e com a mãe dela...).
Mas valeu a pena. Aliás, quanto maior é o esforço, quanto mais suor, adrenalina, calão metralhado e sujo, ideação suicida, quanto maior é o sofrimento maior e mais saborosa é a vitória. E, ainda bem que não sou diabético, porquê foi bem doce!


Hibernação

"Um dia acordas e percebes que estás noutra dimensão.
Estás num lugar sem paredes, sem tecto, sem chão. Lugar escuro, isolado e frio. À tua volta apenas o breu quebrado por uma ténue luz amarela de um candeeiro antigo.
Estás sentado à uma velha secretária e cercado por volumes vários de livros empoeirados e montes de papéis. À tua frente apenas uma folha preenchida por gatafunhos à qual a tua visão está fixa.

Não sabes se é Domingo ou Quinta-feira, se são 6 da tarde ou 2 da manhã. Não sabes o mês e não conheces o ano.
Não sabes como ali chegaste nem o que fazer, apenas sabes que tens um objectivo, algo a alcançar.

A música calou há muito e também os sons do quotidiano. Apenas ecoam palavras e frases, repetidas um sem número vezes; e mais uma vez, e outra...; pelo meio, esconjuras.
O que ouves, muito de vez em quando, são vozes que te chamam; vozes tentadoras para levar-te, mas, mesmo contra vontade, permaneces.

Teus músculos não obedecem.
Não tens fome, não tens sede.
Teu sono é ostracizado.
Durante horas a fio, ficas ali, autómato, quase inanimado.

E estás cansado, muito cansado, cada vez mais... mas continuas.
És objecto de algo maior, que te domina e manieta. Não consegues, ou não podes, ou não queres, fazer nada contra isso.

Não dizes nada que faça sentido. Como crente, rezas uma oração imperceptível ao comum dos humanos. Por vezes, no entanto, reconhecem-te preces a pedir o fim do sofrimento.

Por vezes choras desalmadamente, por vezes ris feito louco, por vezes os dois em simultâneo.
Por vezes sonhas acordado.

Os que estão à tua volta, não se podem aproximar mas chamam por ti, oram por ti, e impulsionam-te. Sentes-te mais forte. Inicias o processo que te levará à liberdade. Sabes que, finalmente, essa clausura sem sentido, essa condenação sem crime, está perto do fim.
Tudo o que antes não tinha sentido agora está tão claro! Como não viste isto antes? A tarefa era grande, penosa, mas aquilo que te desafiou agora não te é capaz de manter mais tempo enclausurado.
Acaba. Tem de acabar! O teu grito do Ipiranga, a tua tomada da Bastilha, a tua força vem ao de cima e partem-se as amarras.
Uma última prova prestada a este cenário e será o fim...

Acabou.
Tudo, esse lugar, fez para te deitar abaixo. Conjurou, conspirou, fez alianças contra ti, mas conseguiste.
O limbo perdeu."

Libertaste-te."

De Catsone, ex-interno, agora, ORGULHOSAMENTE, especialista de Medicina Geral e Familiar.

10 junho 2010

Penitência



Vejo-vos em meados de Julho.
Portem-se.

08 junho 2010

Mundial 2010

Já publiquei isto em 2006, mas como estamos em vésperas de mundial, aqui vai novamente



Japão 2010
Esquema: 4-4-2

Gr: Takabora Naturave
Dd: Tokaido Dumakeda
De: Robaro Miasuzuki
Dc: Havara Noku Doi
Dc: Takamao Natukara
Md: Shumio Miokazako
Me: Mataro Miogato
Mc: Fujiro Kayama
Mc: Hiraopito Namata
Pl: Takarasha Nomuro
Pl: Hirao Kumata

Suplentes:
Gr: Hoji Ianamoto
Gr: Benji
Dd: Tsukasa Onamia
De: Daiki Osoko
Dc: Taaki Noai
Dc: Tsutomo Unsumo
Md: Ishibasha Ishikaga
Me: Ken Kumeo Aki
Mc: Miomazda Nonta Mazaki
Mc: Setsukai Matsuka Teuku
Pl: Ishibati Nakina Shora
Pl: Oliver Tsubasa


Treinador: Toko Kudo Endo
Preparador físico: Daikama Aken Takosono
Massagista: Eutoko Teukatso
Fisioterapeuta: Mashashi Takara

Aos meus amigos japoneses (que são bastantes) peço perdão... ou faço um Seppuku (agora sem trocadilho):

Ébrio

Minha 2ª participação para o desafio "Estava vazio..." da Fábrica de Letras... porque apeteceu-me.


Ébrio

Luzes coloridas e ruídos bizarros.
Minha mente estava oca.
Vertigens, tremores, enurese, risos incontroláveis e histéricos… eu era um estranho fora de controlo.
Parece que tentei preencher a falta estranha que fazias e tapar a incrível cratera criada pelo meteoro tu. Refugiei-me em copos de diversos tamanhos, formatos e cores, preenchidos por tudo que contivesse álcool na composição.
Bendito etanol que o meu corpo tentava desesperadamente metabolizar. Quase podia sentir as suas moléculas a dançar no mar vermelho de veias e artérias.
Mais o hálito incendiário e o vómito compulsivo de um estômago revolucionário e marxista a protestar veementemente contra a atitude incompreensível da maioria neuronal que cedera aos interesses sentimentalistas instalados: “porra de paixão vs razão…”

Agora era a gravidade terráquea, travestida de jupiteriana, que empurrava o monte de carne e ossos, embebidos em vindalho, para um chão húmido e fétido. Cambaleava, como se fosse feito de gelatina, pela pista de dança e chocava com tudo e todos que cruzavam a minha órbita errática; quando meu fraco equilíbrio foi finalmente ultrapassado, estatelei-me no solo.
No caminho da queda vi sorrisos jocosos, em duplicado pela diplopia alcoólica, e dedos apontados em reprovação; ouvia sussurros maldizentes em meio a odiosa música electrónica que insistia em martelar a bigorna.
A partir do toque no terreno não senti mais nada, ouvi dizer que perdera os sentidos e partira para um mundo novo…

Vi-me, então, a cair de um céu negro e sentia o corpo leve, como a planar. Um vento quente parecia abrandar-me a descida. Vestia um smoking já comido pelas traças e calçava umas sandálias de couro castanhas.
Estava rodeado pelos mais exóticos animais, alguns deles já extintos há muito e outros que nem era suposto poderem voar. Todos eles sorriam para mim enquanto dançavam com um copo de cidra na pata/asa e uma cigarrilha no canto da boca. Alguns ofereciam-me mais um “drink”.
No fim da descida fui depositado gentilmente, por quatro borboletas bigodudas, num leito cândido e brilhante rodeado por bips electrónicos.

Acordei.
A visão turva permitiu-me ver um cateter penetrando o meu braço esquerdo, o gráfico do ecg que corria num monitor verde e as grades prateadas às quais tinha as mão atadas. Não reconhecia o símbolo do EPE que me hospedava, mas reconhecia estar num serviço de observação hospitalar.
Sentia-me mal. Parecia ter obras no interior da cabeça realizadas por um conjunto de pedreiros e trolhas estrangeiros que martelavam sem parar os ossos cranianos. Os ouvidos teriam, talvez, uma colmeia de abelhas, tal eram os zumbidos que ouvia. A língua mais seca que o Atacama e o estômago em greve sem pré-aviso. A bexiga estava invadida por um cateter e a televisão transmitia, de perrice, um programa matinal grosseiro.
O coração, esse, estava completamente vazio.

De repente, uma mão quente na testa e a tua voz:
“Idiota!.... tive medo de te perder…”

E embriaguei-me, finalmente.


Luís Fernandes Lisboa ®

07 junho 2010

Querida Sony®

Meu HP® finou-se à coisa de um mês. Ao fim de 4 anos de dura labuta resolvi dar-lhe o merecido descanso e está agora encostado num canto do escritório, reservado para emergências.
Adquiri um Sony Vaio. Li numa revista de informática que o modelo apresentava a melhor relação custo/benefício quando comparado com outras máquinas concorrentes e, lido isto, escrito por experts, resolvi comprar um exemplar.
Fiquei espantado com o facto de estar esgotado em todos os lados; não havia na FNAC®
, Worten®, Media Markt®, Rádio Popular®, etc®, devia mesmo ser coisa boa. Procurei-o pela net e encontrei-o numas páginas obscuras de lojas online, mas prefiro gastar meu dinheiro em lugares mais fisicamente palpáveis.
Um belo dia, porém, recebo pelo correio propaganda da Staples® e ei-lo, em toda a sua glória e explendor, escarrapachado nas páginas escarlates da publicidade.
Telefonei logo à madama para ir dar um salto à loja, já que me encontrava longe, e ela lá foi...

Era filho único, o último, o sobrevivente, o derradeiro... e era meu.

Como uma criança, tirei-o da caixa e, antes de o ligar, admirei-o como um turista admira a Gioconda no Louvre. Cliquei no botão on/off que logo acendeu uma luzita e... começaram as desilusões.
O gajo "cracha" com uma frequência que considero desagradável, o Touchpad não presta, os botões fazem uns "poings" estranhos, não é tão rápido quanto pensava...

(Suspiro)

Talvez (o mais provável) seja culpa minha. Talvez tivesse uma expectativa desproporcionada ou talvez ele seja moderno demais para mim. Talvez eu seja apenas tonto... quem sabe?
Resta-me esta curta mensagem à Sony®:
"Vaio pró caraio!"


Espero que saibam traduzi-la para japonês...