08 julho 2010

Hibernação II

Há cerca de 4 anos e meio publiquei neste blog um texto que tentava reproduzir a epopeia que representou o fim do meu curso.
Hoje reedito-o e publico-o novamente.
Faço-o porquê nestes últimos 3 meses senti-me como naquela altura e porquê este período foi deveras difícil, tão difícil que deixei de fazer muitas coisas de que gosto: escrever, ver (e jogar) futebol, estar com a família e, principalmente, brincar com a minha filhota (e com a mãe dela...).
Mas valeu a pena. Aliás, quanto maior é o esforço, quanto mais suor, adrenalina, calão metralhado e sujo, ideação suicida, quanto maior é o sofrimento maior e mais saborosa é a vitória. E, ainda bem que não sou diabético, porquê foi bem doce!


Hibernação

"Um dia acordas e percebes que estás noutra dimensão.
Estás num lugar sem paredes, sem tecto, sem chão. Lugar escuro, isolado e frio. À tua volta apenas o breu quebrado por uma ténue luz amarela de um candeeiro antigo.
Estás sentado à uma velha secretária e cercado por volumes vários de livros empoeirados e montes de papéis. À tua frente apenas uma folha preenchida por gatafunhos à qual a tua visão está fixa.

Não sabes se é Domingo ou Quinta-feira, se são 6 da tarde ou 2 da manhã. Não sabes o mês e não conheces o ano.
Não sabes como ali chegaste nem o que fazer, apenas sabes que tens um objectivo, algo a alcançar.

A música calou há muito e também os sons do quotidiano. Apenas ecoam palavras e frases, repetidas um sem número vezes; e mais uma vez, e outra...; pelo meio, esconjuras.
O que ouves, muito de vez em quando, são vozes que te chamam; vozes tentadoras para levar-te, mas, mesmo contra vontade, permaneces.

Teus músculos não obedecem.
Não tens fome, não tens sede.
Teu sono é ostracizado.
Durante horas a fio, ficas ali, autómato, quase inanimado.

E estás cansado, muito cansado, cada vez mais... mas continuas.
És objecto de algo maior, que te domina e manieta. Não consegues, ou não podes, ou não queres, fazer nada contra isso.

Não dizes nada que faça sentido. Como crente, rezas uma oração imperceptível ao comum dos humanos. Por vezes, no entanto, reconhecem-te preces a pedir o fim do sofrimento.

Por vezes choras desalmadamente, por vezes ris feito louco, por vezes os dois em simultâneo.
Por vezes sonhas acordado.

Os que estão à tua volta, não se podem aproximar mas chamam por ti, oram por ti, e impulsionam-te. Sentes-te mais forte. Inicias o processo que te levará à liberdade. Sabes que, finalmente, essa clausura sem sentido, essa condenação sem crime, está perto do fim.
Tudo o que antes não tinha sentido agora está tão claro! Como não viste isto antes? A tarefa era grande, penosa, mas aquilo que te desafiou agora não te é capaz de manter mais tempo enclausurado.
Acaba. Tem de acabar! O teu grito do Ipiranga, a tua tomada da Bastilha, a tua força vem ao de cima e partem-se as amarras.
Uma última prova prestada a este cenário e será o fim...

Acabou.
Tudo, esse lugar, fez para te deitar abaixo. Conjurou, conspirou, fez alianças contra ti, mas conseguiste.
O limbo perdeu."

Libertaste-te."

De Catsone, ex-interno, agora, ORGULHOSAMENTE, especialista de Medicina Geral e Familiar.

18 comentários :

Carlos Albuquerque disse...

Caramba, "otário", a "Hibernação" tirou-me o fôlego!
Bem me apeteceu pegar no telefone e ligar para este, ORGULHOSAMENTE, agora Especialista de Medicina Geral e Familiar e dizer: PARABÉNS!
E acrescentar: diz o que faço agora para recuperar o fôlego.
Também por hibernações passei. As vitórias foram sempre saborosas, e como, igualmente, não sou diabético...
Um grande abraço, caro Doutor.

Catsone disse...

Carlos, friend, esqueça lá o "Dr" que aqui não existem destas coisas ;)
Obrigado.
Espero agora voltar a caminhar pela blogosfera... já tinha algumas saudades.

Grande abraço.

Rain disse...

Muitos Parabéns! Só tenho pena que não tenhas avisado para comemorarmos aqui nesta linda cidade quando cá vieste! ;P

Um grande abraço pá! E agora tens férias? Mal posso esperar pela tua natural cor de camarão! hihi

pinguim disse...

Quando publicaste o aviso do "stop", pensei em algo parecido com isto, devo confessar.
Claro que valeu bem a pena e acredito que poucas vezes tivesses empregue a palavra ORGULHOSAMENTE com tanta satisfação.
Parabéns, pois são mais que merecidos.

Mary Jo disse...

Parabéns Catsone!
Outros cursos tbm exigem muito esforço intelectual, sendo a medicina um dos mais exigentes.

Ufa!...
Até eu fiquei perdida no tempo ao ler-te...
Agora, disfruta da tua profissão, da tua família e das coisas que gostas de fazer.
Lembra-te sempre de teres um momento só para ti. Que desses momentos saiam reflexões em escritos ou então pura e simplesmente fecha os olhos e respira fundo.

Parabéns!
beijinhos

Gravepisser disse...

Tudo está bem, quando acaba bem!

Muitos parabéns, Senhor Doutor! :D

Abraço

Gingerbread Girl disse...

Ai shôtor, shôtor... hard work always pays off.

Muitos parabéns senhor especialista. ;)


*

Sílvia disse...

Então muitos parabéns :)

Sahaisis disse...

e tudo terá valido decerto a pena :D

Helga disse...

Dr. Catsone, os meus parabéns! O teu orgulho contagia e recomenda-se! É realmente no esforço e no sacrifício que está o sabor da vitória. Ainda bem que não és diabético, o que significa que podes usar e abusar da conquista.

Mais uma vez, parabéns... Dr.!

Beijinho :)

Cirrus disse...

Pronto, tá bem, parabéns e coiso...

Pronúncia disse...

Cat, muitos parabéns. O sabor de uma vitória suada vale bem o esforço, não vale?! ;)

F. disse...

Em áreas diferentes... mas como me identifico com este post...
PaRaBéNs!! Agora aproveita para desfrutar da família, dos amigos, da vida e do amor que dedicaste à profissão!
Beijinhos*

Inconstante disse...

muitos parabéns Cat! e não sei que mais dizer, que esta malta já se fartou de escrever.
olha, tou como o Cirrus :-)

johnny disse...

Parabéns

Catsone disse...

Muito obrigado a todos pelos sinceros votos. Espero poder voltar a este lugar com mais assiduidade.
Abraços.

Ana Ferreira disse...

Muitos parabéns pela jornada e pela vitória =)
***

meldevespas disse...

Diz que o que custa é que Deus agradece!
Parabéns Sôtôr, e já agora...é que tenho aqui uma dorzinha e .....
just kidding
Beijo