17 fevereiro 2015

Os meus delit(r)os

Amigos, porque os textos sobre a vinhaça estavam a ser uma constante, optei por publica-los em sede própria.
Podem acompanhá-los aqui: http://deliciosodelitro.blogspot.pt/

14 fevereiro 2015

A carta

Meu amor,
Aqui estou eu sozinha. Perdida neste mundo, abandonada por ti. 
Onde estarás, meu amor? Trocaste-me por outra? Existirás noutro coração? 
Não quero acreditar que ficarei só para sempre mas, quando penso que apenas tu és o meu perfect match, confesso que desespero. 
Tenho aguardado no meu frio quarto pelo teu regresso e a cada passo que ouço fantasio o teu retorno. Volta para mim, meu querido. Volta para me completares finalmente. Sonho com o dia em que te voltarei a ver e, lado a lado, caminharemos juntos. Correremos em paralelo até onde pudermos, até onde aguentarmos. Iremos em direcção ao fim do mundo, em direcção a um horizonte longínquo e lá descansaremos e dormiremos juntos e, assim, acabaremos os nossos dias. 
Eu não vivo sem ti, eu não existo sem ti. Sem ti não valho nada e não tenho futuro. Dependo de ti para subsistir, tal é o meu amor e a minha dedicação a ti. 
Por tudo isso e muito mais, imploro-te: volta e junta-te a mim novamente. Eu não suporto esta solidão. 

Com profundo amor e esperança, 

O outro par de meias. 

Devaneio escrito depois de mais de uma hora na tentativa de organizar dezenas de meias aos pares e  após ficar com outro tanto destas "viúvas" nas mãos.