20 julho 2010

Descoberta


Em resposta ao desafio "Disparou" da Fábrica de letras:

A descoberta

Pedro entrou na casa-de-banho e trancou a porta à chave.

Tinha ouvido zuns-zuns na escola. Os colegas de turma falavam entre-dentes de coisas que faziam a eles próprios. Era algo que tinham aprendido há pouco tempo e comentavam em meio à galhofada.
Pedro ainda não pertencia ao grupo. Procurou perceber o procedimento. Perguntou como quem não quer a coisa a colegas de classe, em meio a aulas mais chatas, mas todos viravam o rosto e sorriam. Pareciam tontinhos e não transmitiam a informação que queria.
Demorou cerca de 2 semanas até encontrar um colega que abrisse o jogo. Era um daqueles indivíduos menos populares, que não tinha nada a perder, e, por isso, não tinha pudor em dizer o que se passava.
Pedro tomou atenção a tudo. Achou estranho e sentiu-se incomodado com o protocolo mas decidiu ouvir até ao fim.
Foi para casa a pensar naquilo.

E lá estava ele a olhar-se no espelho: cara de pateta + angústia.
O coração a mil por hora associado a um estômago embrulhado.
Despiu-se e olhou para baixo. Viu o penduricalho ali à mão de semear e começou a executar as instruções:
"Bem, ele disse que fazendo assim...", teve uma espécie de vergonha de apanhar o pequeno amigo que há 13 anos andava ali escondido nas cuecas, "agora puxo esta pele para trás e... elá, o qué isso?!" teve a sua primeira erecção.
Continuou a manusear, fechou os olhos e pensou em "coisas" indefinidas.
Passados 39 segundos disparou...
Um êxtase nunca antes sentido invadiu-lhe o corpo. Quase caiu de costas. Tremeu dos pés ao mais alto dos cabelos arrepiados que enfeitavam o cucuruto.
Olhou-se novamente no espelho. Viu olhos castanhos esbugalhados encrustados numa face imbecilóide, misto de espanto e de algo estranho e que os outros chamavam "prazer"; depois sentiu vergonha de si próprio, num sentimento de pecado e arrependimento... que durou 2 minutos até voltar à nova investida.

10 anos depois:
Pum-Pum-Pum na porta da casa-de-banho:
"Mas qué que se passa aí?"
"Nada, mãe! Já estou a sair!"
Nunca mais parou...

Luís Fernandes Lisboa ®

15 comentários :

pinguim disse...

Espectacular!!!!
E o que é curioso é que afinal, com pequenas variações, isto aconteceu a todos nós...

Carlos Albuquerque disse...

É o que acontece a quem, aos 23 anos, continua a viver em casa dos pais. Corre sempre o risco de ouvir pancadas na porta da casa de banho, que não serão, propriamente, de mãos que gostaria que fossem.:))
Fica-lhe por encontrar a outra descoberta, isto é, olhando-se ao espelho continuará a ver-se imbecilóide! :))
Esta "Descoberta" destapa memórias que alguns eles (todos?) terão guardadas. Alguns (muitos?) sem se terem metido na aventura de se olharem ao espelho.
E Elas?!
Continuas em forma, Catso.
Um abraço

meldevespas disse...

Muito giro mesmo. Retrataste o momento dA descoberta com mestria. Num misto de ingenuidade e ousadia.
Naqueles anos verdes ainda são estes mesmo os sentimentos e os medos.
Gostei muito.

Poetic GIRL disse...

Ora aí está uma forma bem diferente de abordar o assunto, sem papas na língua. Gostei muito,. bjs

Cirrus disse...

E pronto, disparou e pimba, levas logo para este tipo de disparo. Não, não podia ser uma aventura de caça ou um assalto, nada disso... Não havia a tal necessidade, sabes?...

Ainda por cima mos revemos tanto e todos neste teu retrato de uma descoberta que é quase constrangedor. Deliciosamente constrangedor.

El Matador disse...

Ahaha!

Ganda disparo sim senhor.

Muito bom.

Eduardina disse...

A sensação de pecado ainda era um fantasma no que respeita a sexo há treze anos?
Gostei!...

Catsone disse...

Pinguim, é a menarca dos homens ;)

Carlos, obrigado pelas tuas (sempre) calorosas palavras. Quanto à descoberta delas, não tenho muitos relatos :D

Mel, obrigado. Bj

Poetic, achei que estava na hora de mudar de estilo ;) Bj

Cirrus, isso da caça e assaltos não é comigo. Sou anti-caça e vivi muitas cenas de assalto nas terras de Vera Cruz. Achei que mereciam saber a história desse Pedro para poderem lembrar a própria. Porta-te.

El Matador, cuidadinho com ele. :D

Eduardina, bem vinda. Aos 13 anos (e dependendo da formação) mexer no coisito é sempre ir contra o que os mais velhos dizem, não? Daí a sensação de se fazer algo que pode ser pecaminoso. Mas que se lixe, vamos todos para um inferninho! :D

Francisco Vieira disse...

Espectacular, Cat. Nunca me passaria pela cabeca escrever sobre a primeira pivia. Bem, nem sobre a primeira nem sobre qualquer uma delas eh eh eh gostei. Nota 10

johnny disse...

E por aí fora... até aos 90

Catsone disse...

Francisco, isto não passa de ficção!
Abraço.

Johnny, espero que aos 90 alguém o faça por mim, ou se tiver Parkinson pode ser que consiga fazer sozinho :S

Cirrus disse...

Ò MIGO, andei eu décadas a tentar esquecer e agora vens tu, marmelo do camano, lembrar merdas tristes???

Sahaisis disse...

ah ah ah...a minha primeira gargalhada em 24h..lindo pá..a inocência da primeira pu..vez:P (espero que com o tempo o pobre miudo se aguente mais que 39 sec)

Catsone disse...

Cirrus, wtf? lolada

Sahaisis, vê lá o q escreves, menina, q isto é blog de gente séria... ah!ah!ah!

Pedrasnuas disse...

UM TEMA TABU MAS QUE TODOS JÁ PRATICARAM OU AINDA PRATICAM; A MASTURBAÇÃO, TÃO SIMPLES QUANTO ISSO...UM ACTO MUITO ÍNTIMO E DE CADA UM E SÓ.MERECE TODO O RESPEITO

GRATA PELO COMENTÁRIO