18 janeiro 2012

Também quero!

O meu primeiro post sobre moda:
Também quero uma!!!


Clica na foto
Sugestão do amigo Demogorgon.

15 janeiro 2012

Mimo



O amigo Carlos do blog "Conversas Daqui e Dali" muito me honrou com a atribuição deste selo:



Vindo de quem escreve como escreve, muito me lisonjeia e deixo aqui o meu muito obrigado.

14 janeiro 2012

13 janeiro 2012

Cenas de um casório #2

Enquanto passeava os olhos no Amazon.com ®:

- Olha aí um CD dos ABBA! Por falar nisso, queria que visses comigo o "Mamma Mia".
- Isso é a crise dos 7 anos? Queres acabar com este casamento? Ainda se fosse o "Mamma a minha"...


Depois desse diálogo ficou-me a porra da música na cabeça... mas com uma letra própria:

"Mama a minha,
Faz-me esse favor,
Ma ma
Vais gostar do sabor"

12 janeiro 2012

Mundo perdido

Não quis acreditar quando vi uma entrevista do Conan O'Brien ao filho do José Castelo-Branco e da Beth Frankestein:



Meu pobre mundo nunca mais será o mesmo...

11 janeiro 2012

Desafi(n)o

Respondendo ao desafio do amigo Johnny, aqui vão as músicas de 2011 que mais "rodaram" pelos meus ouvidos:

1º Everest - Let go



2º Noah And The Whale - L.I.F.E.G.O.E.S.O.N.



3º Mona - Listen to your love



4º Elbow - 'Lippy Kids'



5º Marisa Monte - "O que você quer saber de verdade"




Não costumo passar os desafios que recebo mas fica a sugestão aos que quiserem fazer este exercício.

08 janeiro 2012

Dia-a-dia

Para o desafio de Janeiro da "Fábrica de Letras" - CRISE


"Dia-a-dia"

A professora do 3º ano terminou a aula com uma tarefa:
“- Meninos, amanhã queria que trouxessem um trabalho sob o tema “O dia-a-dia”, ok? Pode ser uma composição, um desenho, uma montagem, façam o que quiserem e o que mais gostarem, certo?”
E em coro as crianças responderam um sonoro “tá bem!”, arrumar
am as coisas nas mochilas e foram-se apressadas, uma após outra.

Clara ficou preocupada. Pensava em como iria transpor para o papel um tema como “dia-a-dia”. O que quereria a professora que a malta fizesse em t
orno de um tema tão estranho? Poderia ter escolhido, sei lá, “o que fizemos nas férias” ou “brincadeiras”, mas “dia-a-dia”? Será que ela queria que ela trabalhasse em torno de um dia comum ou do que acontece no mundo actualmente?

Chegou a casa casmurra e foi lanchar.
“- Olá para ti também! Vens tão chateada porquê?”, perguntou a mãe.
“- Olá. A professora quer que nós façamos um trabalho para amanhã e não sei por onde começar”, respondeu.
“- E é sobre o quê mesmo?”
“- Sobre o dia-a-dia!”
“- Ai menina, se o trabalho fosse dado a mim seria tão fácil…”, sussurrou a mãe.
“- O quê?”, perguntou a menina.
“- Nada, nada”, respondeu a mãe a disfarçar, “come e vai para o quarto
trabalhar, então”.

Clara chegou ao quarto, deitou as coisas sobre a secretária e… nada. Durante o que restava da tarde pensou no que poderia fazer e népias, nenhuma inspiração, nenhuma lâmpada sobre a cabeça, zero.
“- CLARA, VEM JANTAR!”

A menina sentou-se à mesa desolada. Ficara ao lado do pai como sempre e recebeu, do progenitor, um beijinho na testa.
“- Então, moço, como foi o teu dia”, perguntou a mãe ao senhor
da casa.
“- Ó pá, sempre o mesmo dia-a-dia”, respondeu por entre um sopro de desalento.
Clara despertou: “o meu pai disse “dia-a-dia”?”
“- Um gajo só ouve falar de “crise”! Já estou farto, mulher! Isso está como nos dias de inverno: tudo nublado a ameaçar tempestade. Um gajo anda sempre na corda bamba, num emprego que o patrão quer cortar à força toda.”
“- Tem calma, há sempre uma luz ao fundo do túnel”, acalentou a
esposa.
“- Já não sei, linda, cá para mim o nosso futuro passa por emigrar, ainda só não sei para onde! Se caio desse emprego aterro no inferninho, não é? Vemos o meu salário voar todos os meses, imagina se ficamos sem ele? Agora só se o
uve a troika, tal deus, a mandar em tudo e em todos… humpf”.
“- Anda cá, faço-te um miminhos”.
“- És um anjito…”
Clara saltou da cadeira e correu para o quarto, nem ligou aos chamamentos da mãe para que voltasse para a mesa. Não queria perder a inspiração.

No outro dia quase não tomou o pequeno-almoço. Saiu a correr em direcção ao autocarro com a mochila às costas e uma cartolina azul sob o braç
o.



Clara chegou à casa radiante. Tinha um sorriso tão grande quanto o daqueles “smiles” amarelos. Vinha de peito feito e quando viu a mãe saiu a correr para lhe contar a boa nova.
“- Mãe, mãe!”
“- Elá, miúda…”
“- A professora gostou imenso do meu trabalho, queres ver?”
“- Calma, calma. Claro que quero ver. Mostra-me”
E Clara, então, estendeu a cartolina azul sobre a mesa.
“- Graças a ti e ao pai consegui arranjar a ideia para o trabalho.”




“- Tive nota máxima: ex-ce-len-te!”
, comemorou a menina, "a professora até suspirou!"
"- Pois, pois, como eu a compreendo..."

07 janeiro 2012

Electromedicina


O televisor, Mr. Sony, estava esquisito, não se sentia bem; andava chateado e incomodado
Decidiu ir ao electrodoutor.
Chegou ao consultório e começou a falar sobre os seus problemas.
O electrodoutor era um computador experiente, Dr. Norton. Iniciou na lide da electromedicina ainda usava-se o windows 3.1 e o intel 486 era o "must".
O televisor começou a dissertar sobre os seus problemas. Dizia ele que sentia prurido nas partes, principalmente aos fins-de-semana e quando frequentava canais/programas noticiosos de fama duvidosa.
O Dr. Norton, desconfiado do que poderia ser, chamou um colega patologista para uma observação mais aprofundada. Pediu ao doente que se deitasse na marquesa e aguardasse.

O Dr. Zeiss, da especialidade de microscopia, veio em auxílio do Dr. Norton e começou a examinar o doente. O televisor era um espécimen bem dotado (40'') e o Dr. Zeiss teve alguma dificuldade em examinar o aparelho todo. De repente, resmungou um "Hum" e chamou o Dr. Norton.
"-Vês? O problema está aqui."

O Dr. Norton chamou o televisor ao seu gabinete e começou a explicar a situação:
"- Sabe, tenho aqui umas imagens tiradas pelo Dr. Zeiss ao seu queixume. Parece que essa sua promiscuidade trouxe-lhe um pequeno problema, fácil de tratar mas incomodativo qb"
E o Dr. Norton começou a mostrar as imagens.




"- Desculpe-me, Mr. Sony, mas o senhor tem um infestação de chatos. Medico-o com uma dose elevada de "mute" ou, se não for possível, camisinhas "zapping"..."

05 janeiro 2012

Cenas de um casório #1

Ando a comer demais. Se calhar terei uma "úrsula" duodenal que me força a comer de 3 em 3 horas (minutos?) ou será mesmo gula. Vai daí, a minha senhora "amanda-me" um:

"- Estás a comer muito. 'Tás a engordar!"
"- Pois é, tento compensar com comida a falta do "amor"."
"- Sabes? É porque gosto de ti gordinho..."