12 janeiro 2010

Coração distraído


Agora, mesmo agora, lembrei-me de ti.
Acontece-me tantas vezes...
Assim, de repente, sem estar à espera.
Agora, exactamente como há dois minutos atrás.

Lembrei-me porque o coração bateu à porta
E perguntou à minha mente onde estarias.
E ela tentou lembrar-se do teu sorriso,
Do teu cheiro e do teu calor,
Dos teus gigantescos
olhos cheios de vida
Que quando se abrem, quase, permitem que te veja a alma.
Vagueou por memórias "prazerosas"
(Alimento da saudade).

A mente, depois destas lembranças,
Perguntou ao coração onde estaria ele com a "cabeça".
Afinal, ela mora bem lá dentro do músculo cardíaco,
num quarto quente e confortável.

O coração acalmou-se... por uns instantes.

8 comentários:

pinguim disse...

A eterna "guerra" entre o coração e a cabeça...
Equilíbrio, procura-se...

Cirrus disse...

Mas só por uns instantes, presumo...

Sahaisis disse...

Este teu bonito poema, lembrou-me disto: http://sahaisisnohospital.blogspot.com/2006/10/frio.html
da fase final da adolescência (ou não)

Sahaisis disse...

e este, que são gémeos http://sahaisisnohospital.blogspot.com/2006/10/longitude.html lol

Catsone disse...

Pinguim, e o coração ganha (quase) sempre...

Cirrus, realmente, só por uns minutos.

Sahaisis, li os teus poemas, não podes deixa-los ali "perdidos". Faz um re-post, já! ;)

Sahaisis disse...

no can do...lol..há mais nessa fase...há cadernos deles...mas há também uma irmã escritora talentosa e vergonha na cara...lol...

Sahaisis disse...

tendo procurado descobri este que é para mim de todos o melhor...e agora nao te maçando mais enterro o assunto http://sahaisisnohospital.blogspot.com/2006/10/cadeira.html

Francisco Vieira disse...

Ha quem advogue que nao devemos deixar o coracao falar mais alto. Eu ainda o acho o melhor condutor para uma vida com sentido. Que o cerebro nos oferece a logica e a razao, que nem sempre nos fazem felizes...

Boa noite Cat. Abracos