14 agosto 2013

Palmas

Finalmente estou em férias. São merecidas e as mais desejadas de sempre tal a quantidade de trabalho que me tem caído na cabeça ultimamente.

E o que melhor há para fazer nas férias do que ver os programas de verão nas televisões lusas, hã? Espectáculo! Festas para imigrantes, música pop portuguesa com gritadores secundados por gajas a baloiçar tudo o que deve ser baloiçado, apresentadores estridentes acompanhados por gente que pertence a outra espécie animal também ela bípede, you name it!

Embora tudo nesses programas seja bastante aliciante, nada me agrada mais do que ver as variações populares de bater as palmas. Sinceramente não sei como vocês o fazem mas eu costumo bater uma palma da mão contra a outra, violentamente e num sentido horizontal, muitas vezes de forma um pouco cínica e pouco entusiasta (para que aqueles que as merecem não ficarem a pensar que o trabalho terminou e que já não há espaço para melhorias). Não sei se é melhor forma, se é a correcta, mas é a que uso desde criança e não quero, neste momento, alterá-la.
No entanto, confesso que gosto de ver as senhoras de meia idade que fazem com que o acto de bater as palmas das mãos pareça o desenho de um caça F22. Estas moças costumam fazer danças com os braços para depois chocar as palmas fazendo que, para além do som, também o estremecer do corpo seja engraçado. É incrível o arco que um membro superior consegue descrever, algo que não vem em livros de biomecânica, com certeza.
Mas existem mais variações interessantes. Existem aqueles que não acertam com o ritmo da cantiga e os que falham constantemente as próprias palmas das mãos, talvez distraídos, talvez por serem incrivelmente descoordenados (ainda mais que eu!); há os que parecem aqueles macacos de brinquedo com pratos quando abrem os braços até acertarem no nariz do vizinho e, em linha recta, amandar os membros um contra o outro para executar o acto (sob o risco de acertarem no cocuruto do indivíduo à frente); temos ainda os que batem palmas e saltam ao mesmo tempo, não fazendo nada de jeito nas duas coisas; há os delicados, que batem as pontas dos dedos contra a palma da mão contrária o que não é, na verdade, um bater as palmas; enfim, vale a pena ver um número musical desses programas (com o volume reduzido,é claro: segurança auditiva primeiro) só para ver essas variações sobre este tema.

E, "prontos" (também gosto dos estrangeirismos [ou será melhor "esquisitismos"] linguísticos da silly season), vou ali às festas da terra ver os perdigotos kamikazes dos novos falantes de francês que, como as andorinhas, migram de volta para estas áreas do Liz. 
Férias no seu esplendor!





6 comentários:

nAnonima disse...

estivesse euzinha de férias e nem essa treta da tv ligava :b (bem, só se precisasse de me rir :))) e a tv portuguesa (e a sua tour turisticó-cultural, ui, ui)

BOAS FÉRIAS!!!!!!!!!!!

Ceres disse...

Ah ah ah... Olha, que eu acabei de ler e pus-me a bater palmas para ver qual a minha técnica!
Pois que faço uma conchinha com a mão e bato com os dedos da mão direita na palma esquerda. De facto, não é bem palma com palma pois a minha palma direita encaixa quase no pulso esquerdo ;-p
Pelo menos o movimento braçal é mínimo e não me ponho aos saltinhos, lol

Boas férias e continuação de observações dos bizarros comportamentos sociais !!!

João Roque disse...

Já me ri um bom bocado.
Boas "vacanças"...

Catsone disse...

nAnónima, eu não vejo, como é óbvio, mas por vezes há acidentes :d

Ceres, obrigado e prometo que, se identificar mais desses comportamentos, ponho por cá.

João, obrigado, tou mesmo a precisar.

Malena disse...

Boas férias, Cat!
Já confirmei que bato palmas normalmente. Posso continuar a vir ao teu canto? :P

Catsone disse...

Malena, podes continuar a vir (mesmo não confirmando seres tu a batedora de palmas correctas).