10 junho 2013

Pai sofre XXXII - Um milhão de quilates

A minha menina tem um amigo na escola.
Tanto ela como ele se iluminam quando se vêem. E enquanto não se encontram, parece-me, o dia não tem brincadeira, ou tem, mas sem tanto riso nem tanta graça.
A relação de amizade entre as duas crianças me enriquece. A pureza daquele amor infantil é um verdadeiro diamante. Faz-me encarar a vida de forma mais simples e perceber que, por trás de tantas nuvens, metaforica e fisicamente falando, existe realmente uma estrela para nos aquecer o espírito.

Os miúdos mais velhos perguntam a ela "onde está o teu namorado, menina?", numa jocoza brincadeira sobre os mais novos. Ela aponta para o rapaz sem saber ao certo o sentido daquela estranha palavra. Para ela é o melhor amigo, aquele com o qual tem mais afinidade, o que brinca melhor e a faz sorrir. Não há sentimento de posse ou de ciúme, apenas um desejo verdadeiro de companhia.

Confesso, no início, um pouco de ciúmes, uma verdadeira patetice e típico de um homem há muito vendido aos problemas do mundo dos adultos. Para quem já passou da primavera, a vida está carregada de preconceitos e medos irracionais e espanta-se com a naturalidade de um verdadeiro abraço desinteressado. É difícil aceitar tanta nobreza e é preciso alguma humildade para perceber que temos muito a aprender com a petizada.
Ainda faltam alguns anos até eu realmente ter de me preocupar com carcamanos atrás da minha princesa. Mas façam esforço para perdoar um pai adulto levemente enciumado e corrompido pelos males da sociedade.

Em meio a tanta "preocupação" parental consola-me esta beleza apenas proporcionada pela limpeza da alma infantil. A amizade aqui não tem cor, não tem sexo, não tem idade e, principalmente, não tem fronteiras.

Aprendêssemos alguma coisa com os pequenitos e este mundo seria um lugar melhor.


3 comentários :

nAnonima disse...

:)))

(nao te apresses a confirmar as castas, não! :)

João Roque disse...

Como te invejo por seres Pai, e um bom Pai, tenho a certeza.

Catsone disse...

nAnonima, não é preciso me preocupar, posso aproveitar esta calmaria praí mais uns 2 a 3 anos...

João, não precisas ter inveja, meu amigo. Ainda podes vir a ser também, quem sabe? :D
Abraço.