08 dezembro 2011

Brinquedos de %$#&§



Com duas crianças em casa, o Canal Panda é, obviamente, o que tem mais tempo de antena. Canal virado para a malta mais nova, farta-se de ganhar dinheiro nesta altura do ano com os comerciais de brinquedos. Tudo normal, afinal, do jeito que as coisas estão, todos têm de fazer pela vida.
Assim, hoje, feriado, enquanto a minha menina aguardava pelo próximo boneco animado, fiquei a acompanhar as novas tendências do mercado.
Foi então que percebi que a nova tendência é o nojento, o estranho e, principalmente, o grotesco. Só assim é possível encontrar explicação para estes produtos:
Neste 1º exemplar, um puto, com tendências megalómanas, cria os seus próprios monstros e depois, insatisfeito, aperta-os com as mãos até que o cérebro estoire ou os olhos expludam das órbitas enquanto deita uma gosma verde por tudo o que seja buraco.



Nesta 2ª coisa, o objectivo passa por arrancar o maior número possível de macacos do nariz do boneco e até que lhe salte o pequeno encéfalo (algo maior do que o daqueles que criaram esta treta)! Ganha aquele que mantenha o almoço no estômago.

E para terminar, o melhor (ou pior?):







Para este não encontrei objectivo. Não sei quem ganha, se é o que apanha mais cagalhões (desculpem, mas só me lembro desta palavra para isto), ou o que fica menos borrado, ou o que mantenha os pais casados depois de um deles ter a infeliz ideia de escolher esta porcaria para presente de natal.

E isso são só três exemplos...

Saudades do pião e da bola de berlinde!

11 comentários:

El Matador disse...

Infância escatológica, o Freud é que sabia.

Pseudo disse...

O meu tb acha piada a estas coisas nojentas. Mas lá está: só as recebem se os adultos não tiverem bom senso...e sim, há muitos que o deixaram na bariga da mãe!

✿ chica disse...

Puxa, que coisa isso!Esse cachorro é nojento!!E podia ser um brinquedo legal .Ele é bem bonitinho...

Pena,né?

E respondendo: Não tenho sempre o mar por aqui!! Gostaria muito!!!Mas, moro longe, 2 horas dele, com um trânsito de matar e aindaq água feia... abração,chica

pinguim disse...

Que maravilha eram os brinquedos da minha infância...

Catsone disse...

Killer, o Freud era um grandessíssimo sacana; dos melhores ;)

Pseudo, os meus ainda são muito pequenos para entender o que é que são estas coisas, só gostam mesmo é dos bonecos; eu é que fico com os cabelos em pé a ver estas "invenções".

Chica, por acaso o cachorro é bonitinho mesmo, totalmente sem sentido o jogo em si. PS: pena o mar não ser inspirador mais vezes ;)
Abraço.

Pinguim, espero que estejas a falar do pião e da bola de berlinde, lol ;)

Pulha Garcia disse...

Os brinquedos modernos surpreendem-me pela negativa. Eu quando era miúdo gostava de jogos de tabuleiro. Hoje já não se cultivam esses prazeres.

Quanto aos canais de televisão, não achas que era mais importante a pequenada andar a ver Benfica TV em vez de Canal Panda? Nunca é demasiado cedo para ver a luz ...

MA-S disse...

ahahah, brinquedos de merda, literalmente. Então esse último cão...

Sahaisis disse...

DELICIOSO!!!

Renata Diniz disse...

Me identifico com suas palavras. Justamente porque fiquei horrorizada com uma opção de brinquedo que vendedora me mostrou quando fui escolher um para a minha filha. Tratou-se de uma boneca de mais ou menos 30 cm (no valor de R$400,00) que tinha expressão facial (olhos e cabeça gigantescamente assustadores) e de mais vantagens (segundo a vendedora) fazia xixi e cocô. Posso com isso? Claro que eu não comprei a esquisitice. Abraço!

Demogorgon disse...

Passei metade da minha infância a desejar ter o forte pirata da playmobil!!! Mas era caríssimo e a minha mãe não me podia comprar... Então contentava-me com coisas mais baratas, tipo legos... E aqueles bonequinhos de plástico, tipo índios e cowboys. (Já para não falar dos bons velhinhos jogos de tabuleiro, monopoly, etc...)...

Estas "modernices" nem têm ponta por onde se lhe pegue, mas espelham bem a loucura que tomou conta das nossas sociedades, e o quão vulneráveis são as crianças, à feroz voracidade dos papões da indústria, que tentam sacar o máximo dinheiro possível aos pais, convencendo a pequenada de que gostam de lixo como esses exemplos que dás, e muitos outros. Cabe aos pais darem o melhor de si, para tentar impedir que se transformem no vazio intelectual que ameaça destruir as gerações vindouras (e que, de resto, já é bem evidente nas actuais...)...

Abraço

Catsone disse...

Pulha, introduzi o Scrabble e o monopólio na vida dos meus sobrinhos. a miudagem gosta deste tipo de jogos mas a pressão das negociatas é enorme.
E, benfasTV??? Creindeuspai!

MA-S, e são só alguns exemplos...

Sahaisis, espero que não estejas a falar dos jogos ;)

Renata, bem-vinda a este canto, olha o você poupou, e não estou a falar do dinheiro ;)

Dermo, não podia concordar mais com o que escreveste. Realmente, é nestas pequenas coisas que se notam o que se tem feito pelas gerações: estupidificar. O teu comentário lembrou-me muito uma música da Legião Urbana chamada "Geração Coca-Cola".
Peace, friend!