22 maio 2011

Renascimento



Como têm tido a oportunidade de constatar, este espaço tem sido um pouco negligenciado, culpa da vida que nos impede, por vezes, de fazer o que gostamos.

Posto isto, venho hoje quebrar o enguiço criativo devido à paixão ao FCP.
Há cerca de um ano escrevi este texto. Nele descrevia o meu desalento pela época desastrosa protagonizada pelos mesmos jogadores que este ano fizeram a melhor temporada de sempre.
É incrível como se mudam as coisas em apenas 1 ano. É inacreditável o que acontece quando pegamos em 3 pessoas e as trocamos por outras 3 diferentes. No caso do FCP, bastou trocar um treinador principal (sem contar a equipa técnica), um defesa central e um médio centro e puff, criou-se uma das melhores equipes de sempre. Obviamente que esta última ideia é uma caricatura mas olha-se para o banco e vê-se um portista ferrenho no comando, o que faz uma diferença do caraças.
No entanto, o que mais me apraz neste sucesso talvez não sejam os títulos. O que mais me agrada é ver pessoas que se orgulham da camisa que vestem, que dão o litro, que não desistem, que não utilizam a violência dos antecessores, que não se saciam com apenas uma vitória, que não dão desculpas e que cantam com a massa...


Terminei aquele texto com a seguinte frase: "Que se encontre cura para as nossas maleitas e que possamos enfrentar os demais com a força de outrora". Encontramos a cura para algumas; outras lá continuam a morar e os títulos permitem que se tornem "transparentes" aos olhares dos incautos... o tempo há-de eliminá-las para aclarar cada vez mais as nossas vitórias.


Hoje, um título mais ricos, os portistas voltam a festejar. Este ano parece haver mais "S. Joões" (qual é o plural de João?) e os "suspiros" são por outros motivos.



Saudação De(s)portista!

2 comentários :

Sahaisis disse...

parabéns amigo...:p e welcome back

Catsone disse...

Sahaisis, caríssima, obrigado.