04 março 2009

Sem fronteiras

Foi com agrado que outro dia ouvi, na TSF, esta entrevista com o Sr. José Lucas, secretário da Associação de Divulgadores de Espiritismo de Portugal (ADEP).
O espiritismo tem vivido sob a chacota da grande maioria das pessoas. Para isso encontro uma palavra: ignorância. O Espiritismo não é o que o Prof. Karamba faz. Não se lêem búzios, cartas, mãos ou o Record. Não se sintoniza a rádio "Além" para comunicar com um espírito.
O Espiritismo é uma doutrina. É um meio utilizado para melhorarmos como pessoas, para crescermos. Quem conhece e pratica a doutrina espírita, compreende as grandes diferenças existentes neste mundo.
Eu sou espírita. Não tenho vergonha nenhuma nisto, muito pelo contrário. Quando pequeno, meus pais levavam-me a um centro espírita todos os domingos de manhã e, ao contrário da missa católica, ninguém me obrigava a ir às sessões. E numa sessão espírita não há visões de fantasmas, nem cadeiras a voar ou portas a bater contra as leis da física; há conversa, há canções e solidariedade. Há paz... resmas dela.
O "Evangelho segundo o espiritismo" de Allan Kardec, foi a única obra que me explicou porque nasci com saúde, numa óptima família e com os bens materiais necessários, em detrimento de uma vida sem nada disso num país subsaariano.
Esta é uma doutrina científica, que tenta compreender a forma como o mundo se processa. Estando ligado às ciências, interessam-me muito suas explicações. No entanto, não se deve confundir com a religião do Tom Cruise!!!
Acho piada ao facto das pessoas torcerem o nariz à expressão "sou espírita". Mostra incompreensão e desdém. Às vezes tento demonstrar do que se trata, explicando as teorias, objectivos e acções de um espírita mas, no entanto, na maioria das vezes, não me dou ao trabalho e, simplesmente, ignoro.
Aconselho, a quem tiver a mente aberta, que ouçam esta entrevista ou, aqueles sem qualquer fronteira mental, a irem a uma reunião num centro espírita. Desde que estejam preparados e mantendo sempre o espírito aberto, não arrepender-se-ão.

16 comentários:

MA-S disse...

Psiquiatria é fascinante!
Ele há psiquiatras médicos (não percebem um cu daquilo) e médicos psiquiatras, mas ainda há os pisquiatras psicológos...estes dois últimos desde que se interessem minimamente com o doente, o sucesso da relação terapêutica é quase garantida.
E gostou do seu estágio? Vai durar quanto tempo?

Catsone disse...

Comecei hoje, mas promete... mas pode ser "promessa de político".

MA-S disse...

eheheh...psiquiatria tanto é divertido como é deprimente ao mesmo tempo. Dependendo do doente e da sua patologia. Imaginemos uma pessoa bipolar em fase de mania...pdl.
Eu "apanhei" uma da "moda"...
voltando ao tópico:
Espiritismo...curioso como também tinha a ideia que os espíritas e as respectivas sessões eram assim algo...do Além.
Mas ainda bem que clarificou.
Claro que não se compara com a Cientologia, qualquer coisa com ancestrais extraterrestres???!!! What?!
Você vai ver que até vai "curtir" de psiquiatria!

MA-S disse...

p.s: se lhe interessar a perspectiva da integração e re-inserção na comunidade de uma pessoa com experiência de doença mental, sugiro um livro que é Psicologia Comunitária do Dr. José Ornelas, psicólogo, professor no ISPA e fundador da AEIPS (associação para o estudo e integração psicossocial) - instituição pioneira nestes assuntos sediada em Lisboa.
e também realizei lá o meu estágio de psiquiatria...

Sahaisis disse...

tudo aquilo que contribua para a nossa compreensão do mundo e para a nossa paz de espírito (exceptuando turnos em horário de antibiótico-de 8/8h) faz sentido...

Sahaisis disse...

oh diabo...vocemesse escreveu um post a sério :p e lembrou-me um amigo, ortopedista ósseo, que também partilhava essa doutrina

Catsone disse...

Caríssimas, podeis tratar-me por tu, ó faxâvo.
MA-S, obrigado pela dica. Já passei por vários serviços de psiquiatria e sempre gostei muito. Quando escolhi especialidade era uma das opções.
Sahaisis, eu até sou um gajo sério... às vezes ;)

Badmadafaka disse...

Misturar Psiquiatria no mesmo saco de Espiritismo... Faz sentido para mim, são ambas vertentes actuais da prática ancestral do Charlatanismo!
Catso, larga a puta da IURD, pá! E leva essa corja contigo para o Brasil :P

Denise disse...

Cool, um psiquiatra estagiário?
Gostei deste seu post e do seu blogue ao qual acedi no rasto dos comntários que deixou no BE. Virei visitá-lo mais vezes.
Privilégio o seu de ter tido uma educação espírita desde pequenino. satisfaça-me uma curiosidade: das crianças que nessa altura frequentavam o centro, quantas vieram, já em fase adulta, se assumir como espíritas?
Cumprimentos

Denise disse...

Badmadafaka,
não confunda conceitos, caríssimo :-(

Catsone disse...

Cara Denise, seja sempre bem vinda por estes lados. Não ligue para o que o amigo anterior diz, faltam-lhe algumas capacidades...

Mr. MFR, vê lá se te instruis, pá. Não venhas para cá ofender, sei onde trabalhas e conheço teus pontos fracos... ou talvez não. O que tu fazes é que é charlatanismo: curar com calorzinho e com frio, bá!!!

Catsone disse...

Denise, infelizmente não sei responder à sua pergunta. Minha família foi imigrante no Brasil, daí a nossa facilidade em encontrar a doutrina. Mas se servir para alguma coisa, posso dizer que muitos dos meus primos mantiveram-se espíritas e boa parte da família mais afastada até fazia parte de um CE em S. Paulo (Centro Espírita Perseverança)do qual penso existir uma comunidade no Orkut.

Denise disse...

Sim, no Brasil há mais facilidade nesse aspecto...
Adorei o seu blogue, é divertido!

Badmadafaka disse...

Ahahahahahahah! Adoro quando me levam a sério!
Achas que calor precedendo uma massagem por uma porquinha sexy com gel e placeb... err, a sonda de ultrassom é charlatanismo? Tal pensamento, na minha modesta opinião, é de quem idolatra a bichanice!

RockyBalbino disse...

Também sou simpatizante da filosofia espírita e adorei a entrevista. Tal como o bloguista, a Espiritismo foi a única filosofia que me explicou o porquê do ser, do destino e da dor, parafraseando Léon Denis.

Não deixei de ser quem sou por causa do Espiritismo. Continuo um bocado mau-feitio, burro e cervejeiro. Mas sou uma pessoa melhor, deixei de ter necessidade de retribuir ofensas, deixei de sofrer tanto com injustiças, conquistei paz interior e procuro fazer alguma coisa pelos outros.

Catsone disse...

Rocky, bem vindo a esta humilde casa.
É isso tudo, não precisamos de mudar aquilo que somos no íntimo, apenas limar as imperfeições.
Gostei muito da tua última frase "conquistei paz interior e procuro fazer alguma coisa pelos outros".
Abraço e volta sempre.