14 setembro 2016

Daltonismo ecológico?



Eu reciclo, ok? Faço os possíveis para por o plástico, o vidro e o papel em pequenos contentores coloridos que jazem num canto da cozinha. Ensino também os meus filhos a reciclar, sob o preceito da protecção do meio ambiente, e ainda tenho a pachorra de incentivar alguns amigos a fazer o mesmo.
Viram, eu reciclo, certo? Afinal até sou um bom rapaz e tal. Faço a minha parte, mesmo que exígua, para salvar o planeta. 

Apesar de fazer esse pequeno esforço, nunca decorei a porra das cores de cada um dos contentores da reciclagem. Quando pergunto “o vidro, ponho em que contentor?”, os que ouvem fazem uma cara de espanto acompanhada de um “a sério? Não sabes?” logo seguida de uma tromba de desprezo, decorada com um “como é possível? Puff”.
Desculpem lá mas eu não tenho de decorar a cor correspondente ao tipo de lixo. Com o passar dos anos um fulano deixa de ter espaço na memória para ser ocupado com este tipo de frivolidades. Cada sinapse tem de ser aproveitada para coisas mais importantes, como por exemplo, o nome daquele jogador que marcou um golo decisivo no final do campeonato nacional de 1996 ou o nome daquele vinho que se esqueceu após consumo exagerado do mesmo.
Já faço um esforço hercúleo para saber  que existem 3 contentores de diferentes cores para desperdícios que vão além do lixo dito normal, e que um é amarelo, o outro é verde e o terceiro é azul. E já é muito. Além do mais, para que catso iria eu perder tempo a lembrar de uma coisa que está escarrapachada no próprio contentor? Só tenho de lá chegar, ler o que está na informação e despejar o conteúdo no depósito correspondente, não é?
Pois parece que não; não é suficiente! Um gajo tem de saber a cor a que se destina a porcaria da garrafa de cerveja e a lata de atum!
E agora até existe um pilhão, bolas!!!


“O Gervásio demorou 1 hora e 12 minutos para aprender a separar as embalagens usadas. E você...?”, perguntava no fim o “cientista” da publicidade à reciclagem. Bem, parece-me que se confirma que sou um macaco bem intensionado mas um pouco menos treinado…

4 comentários :

Nuno B. disse...

Eh pá, tenho exactamente o mesmo problema, mas agora já me desenrasco porque memorizei as formas das "bocas" dos "contentores", cada um tem a sua e é fácil, mas antigamente era um problema... x)

Stephanie disse...

Tenho o mesmo problema. Passo sempre alguns segundos a tentar descobrir qual é qual.....mas o objetivo final fica sempre cumprido

Catsone disse...

Nuno e Steph, o problema é maior dentro de casa onde não há pistas. ai é por tentativa e erro :D

Briseis disse...

Eu lembro-me sempre que o verde é para o vidro porque penso nas garrafas de vinho com vidro verde e feio. O amarelo é a cor dos plásticos deteriorados e queimados. E o azul, bonito, é para o papel, que é o tipo de lixo que gosto mais. Comigo funciona assim =)