05 janeiro 2016

A vingança do -

O hífen andava revoltado. Com o acordo ortográfico ficou arredado da companhia de diversas palavras porreiras e estava preocupado com o seu futuro. Desaparecera sem ter sido consultado, sem ter tido uma "palavra" a dizer.
Não se conformava com a situação e quis juntar-se ao "c" numa espécie de contestação contra o chamado "acordo ortográfico".
Embora o "c", que tinha sido subtraído de muitas de suas companheiras e expulso de várias palavras, também estivesse lixado da vida, não quis aceitar a associação com o hífen. Dizia que aquilo que o sinal propunha era ainda pior que o tal acordo, uma espécie de terrorismo em todas as terras de língua portuguesa, inclusive na Guiné Equatorial.
O hífen, mesmo sem a ajuda de outras letras e/ou sinais prejudicados com a nova ortografia, resolveu ir à luta sozinho. Queria voltar a ter protagonismo no idioma e começou a fazer por isso. Lentamente, foi-se introduzindo nos diálogos. Insidioso, foi aparecendo cada vez mais amiúde e utilizou uma táctica inteligente: infiltrou-se no discurso dos mais novos. Das crianças aos adultos mais jovens, foi aparecendo mais frequentemente e agora, depois desse esforço bélico, devido a sua raiva e em jeito de retaliação, o hífen reaparece, tanto nas palavras de onde desapareceu, como noutras onde nunca sequer deveria surgir...







2 comentários :

Balhau disse...

E com isto acaba de dar entrada nos serviços de urgência médica uma senhora de meia idade chamada de Língua Portuguesa. Ela afirma ter sido gravemente ferida por vários tiros à queima roupa e neste momento encontra-se entre a vida e a morte...

Catsone disse...

Não foram tiros. A moça foi varada por um hífen atirado pela Teresa Guilherme!