13 abril 2014

94

Ela faz 94.
94 anos é muito tempo. Dos meus trinta e tais vejo-os ainda longínquos e custa-me crer que por lá passarei.
Por vezes fico a pensar em tudo o que ela passou e em tudo o que viu ao longo desses longos anos.
Ela viu, seguramente com espanto, a tecnologia dominar o quotidiano do homem. Viu o carro passar de novidade extraordinária à obsessão desnecessária. Ela viu a televisão invadir as casas e afastar as conversas da hora do jantar e também viu as pessoas passarem a conversar através de pequenos aparelhos que trazem nos bolsos das calças. Ela também soprou as velas de casa e ligou os interruptores da recém-chegada electricidade. Ela deve ter achado estranho as lembranças passarem da mente para películas de fotografia, depois para computadores e depois para lugares virtuais dos quais ela nem sequer sonha. Deve ter ficado abismada com os riscos no céu feitos pelos aviões, esses mesmos aparelhos que a levariam, anos depois, para o lado de lá do Atlântico.
O que lhe passará hoje pela cabeça quando observa este mundo e o compara com aquele, muito mais simples, que conheceu na infância?

Certamente passou por muito nesta sua longa vida. Nasceu em tempos de miséria, viveu sem luxos mas ainda foi a tempo de conhecer estes nossos tempos de fartura obscena. Viveu em tempos de guerra. Conheceu vária ditaduras e uma revolução. 
Viveu na ignorância das letras por culpa de uma vida dura, por culpa de uma cultura de trabalho e dedicação a outros bens essenciais.

A sua história de amor originou 3 filhas, 9 netos e 14 bisnetos. Penso muitas vezes na sua importância para a minha própria existência. Olho para os meus filhos e penso, não raramente, que lhe devo um obrigado: sem ela, eles não estariam por cá.
Penso naquela sua história de amor. Na sua vida dedicada ao homem que escolheu para meu avô e no exemplo que nos deixa a todos. Queira eu também, ao fim de tantos anos de sofrimento para manter o bem estar de quem se ama, poder humildemente olhar nos olhos de quem se perdeu e dizer: "podia ter feito tanto mais por ti".

Ela faz 94 anos e está há 38 na minha vida. Agradeço a qualquer divindade a oportunidade que me deu de ter por tanto tempo a sua companhia. Dou graças por poder ter apresentado a ela os meus filhos e de poder tê-la usado como cobaia da minha profissão.  
Não penso em quanto tempo mais estará cá connosco, facto inerente à fragilidade da vida aos 94, e limito-me a aproveitar da sua presença. Limito-me a mandar chalaças ordinárias à mesa do almoço dominical; limito-me a ouvir os seu infindáveis "ais" e o ranger das suas "artrósias"; limito-me a rir da sua teimosia; limito-me a vê-la rir-se das palhaçadas que os seus netos fazem. Limito-me a invejar-lhe os lindos olhos azuis, ainda cheios de vida.

Parabéns, avó, e obrigado por todos os ensinamentos passados. Que aos 94 eu também possa ter quem de mim tenha tanto orgulho.










7 comentários :

João Roque disse...

Maravilhosa homenagem à Senhora tua Avó.
Parabéns para ela e para o neto que tem, pela forma de viver a vida e ser um digno sucessor dos ensinamentos que ela proporcionou aos seus.

carrilheto Carril disse...

Esta tudo dito é a avó. ...

Nane disse...

Adorei... as minhas palavras descritas pela tua mente... :)

Catsone disse...

João, obrigado. A minha avó é uma heroína para mim. Há vidas que deveriam ser infinitas.

Carrilheto e Nane, bem sei que tb o sentem. Abreijos.

Mz disse...

Podem ser enciclopédias vivas.

O que o mundo evoluiu... Oh Deus! Tanto para contar.
A sua própria história de vida, a do país e a de uma sociedade global.

Parabéns à senhora sua Avó e a ti que és um neto orgulhoso e defensor dos valores familiares.

Um bem haja!

Catsone disse...

Mz, um obrigado meu... e dela. ;)

Demian disse...

Excelente homenagem, parabéns à avó e ao neto. ;)