31 outubro 2012

A carta mágica

Baco entregou-lhe uma carta perfumada; tresandava à farra, à orgia e a outros odores mágicos e pecaminosos. Escreveu-lhe certo mas em linhas, que no decorrer da sua leitura, se tornavam cada vez mais tortas. As palavras escrivinhadas com espécie rara de tinta roxa, estraída à força por rudes pegadas humanas, de uvas importadas das montanhas do luso Norte.

Da missiva, ele sorveu-lhe a escrita. Gota a gota, transfundiu para o seu sangue o prazer do manuscrito. Entendeu-lhe as ideias, sentiu-lhe o delit(r)o e perdeu-se numa paixão súbita e alucinogénea. Envolveu-se na poética, dissipou-se na métrica e, finalmente, tropeçou na cadência das enebriantes palavras sagradas, caindo, desamparadamente, num mar de CH3CH2OH pecaminoso.

Ah, as missivas de Dioníso têm vindo a surgir-lhe com mais frequência e, graças ao bom deus, acrecidas de repetidos, incansáveis e deliciooossoooosss Post-Scriptum!








P.S: insisto em contrariar aqueles que acham que virei alcoólatra!
E Grave (sempre gostei mais desse nick, amigo), está aqui um do Douro que é um espectáculo.

9 comentários:

nAnonima disse...

como eu amo o vinho do douro. nem te sei explicar. quase me corre nas veias.

(só por causa disso, hoje será dia de abrir garrafa! :)

ps: gostei do texto :)

Malena disse...

Bela inspiração! :)

João Roque disse...

Excelente, como um bom vinho...

Briseis disse...

Oh, mais uma pérola do lado de cá do Marão... =) mas esse é só o que vai engarrafado. Venham ao Douro, venham ver as paisagens, os socalcos - "passadas de homens titânicos", como dizia o Miguel Torga -, venham ver o rio barrento e poderoso, as cores quentes que as parras usam no Outono! Venham! =)

Briseis disse...

E com a ode ao Douro até me esqueci de comentar o teu texto, que achei delicioso, literalmente. Se tivesse uma cor, seria ruby. E cheiro aveludado, a lembrar pecados simples. Muito poético!

Demian disse...

Epah! Mas que grande borrachão me estás a sair!!! :D

Continuo a dizer-te que os vinhos do nordeste transmontano são imbatíveis! Infelizmente são pouco divulgados. Não existe quase nenhum no site da garrafeira nacional, é uma vergonha, mas infelizmente é o retrato do que estes autarcas de merda têm feito para enterrar ainda mais as regiões mais pobres do país... Têm um potencial brutal, até para exportação, mas nem os de cá os conhecem!

Um dos melhores vinhos que bebi até hoje é de um produtor privado da zona de Valpaços, chama-se "Terras do Salvante", custa cerca de 5 euros a garrafa, agora tenta lá encontrá-lo à venda onde quer que seja... Uma tristeza!!!

Catsone disse...

nAnónima, bebe um copo por mim!

Malena, tks.

João, obrigado.

Briseis, é pena a A24 se cara comó raio ou ia mais vezes a Lamego, Régua, Vila Real e Murça...

Demian, tens razão. Já "googlei" é nada! Parece que vou ter de ir até ai acima para que me possas mostrar onde está esse tesouro ;)
E não virei um borrachudo, ok?
Abraço

Maria do Sol disse...

Baco, do alto da sua sabedoria, sabe melhor que qualquer um, do vinho fazer poesia. Escrita boa, a tua.

Catsone disse...

Maria do Sol, benvinda ao tasco, Baco, esse grande sacana, sabia como viver a vida; não sei se seria sabedoria, mas que era boa vida, ah isso era!