30 julho 2012

"Educação" não tem 50% de desconto em cartão Continente!


Como costumo dizer cá por casa: "educação não se vende em prateleiras..."
Estava eu, no meu popó, estacionado entre outros dois veículos, quando o vizinho do lado esquerdo chega com os seus dois pimpolhos, preparados para abandonar a zona. 

Um à parte: sei como são as crianças. Por experiência própria, já experimentei da ansiedade e irreverência infantil e compreendo que, às vezes, é difícil domar um pequenote.

Voltando à situação.
O dono da viatura abriu o carro e, consequentemente, "libertou" o fecho central. O mais pequeno abriu a porta e testou a rigidez da porta do meu carro provocando um estrondoso e melodioso som: "Bum!".
O pai foi exemplar: austero e educador; e repeendeu-o da seguinte forma:
"Então? Cuidado filho! Não vês que estão pessoas nesse carro?", enquanto o acomodava na respectiva cadeira de segurança. 
Fiquei à espera de um "desculpe, sabe como são as crianças" e uma averiguação dos estragos... mas nada. A malta aninhou-se na viatura e foi-se.


Conclui então que, para aquele progenitor, se não houver ninguém na viatura vizinha, os seus filhos podem bater com a porta  à vontade; melhor, podem dar pontapés, usar uma maça de guerra,  uma bazuca ou uma machadinha apache em propriedade alheia; aprendi também que "peço desculpas" é uma frase sobrevalorizada e, com esta crise, uma grande percentagem de agregados familiares não a podem suportar.


Pior que a crise financeira e esta que actualmente vivemos: a de valores (imateriais).  


PS: como a porta tem de ser arranjada por outra mazela mais antiga não me preocupei muito (mas anotei a matrícula na mesma: pode ser que vislumbre o prevaricador [a terra é pequena]).



9 comentários:

El Matador disse...

vamos voltar às leis do antigo testamento.

Sílvia disse...

Infelizmente é assim. No outro dia no comboio ia sentada uma senhora e no colo levava uma criança. A dita criança passou o caminho todo a abanar as pernas e consequentemente a bater nas minhas pernas. A mãe assistiu a tudo e nada fez, nem um pedido de desculpas nem uma repreensão ao miúdo. Eu? Pra não me incomodar troquei de lugar mas a vontade era mandar o puto estar quieto e dizer à mãe que tem um filho extremamente mal educado.

Catsone disse...

El Matador, fazes jus ao "nome, lol

Sílvia, é como eu digo, educação é rara e está cara comó'raio!

Belial disse...

Foste demasiado pacífico.

Eu saía do carro e espetava com a cabeça do paizinho no capot do seu estimado bólide...

Mas isso sou eu, que sou civilizado... x)

Abraço

Catsone disse...

Belial(?) [tens de parar de trocar de nivk, lol], isso era capaz de ser mau para o carro dado a cabeça do dono ser de pedra. É incrível a falta de civismo que reina pelo rectângulo...

Cirrus disse...

Povo de merda.

Catsone disse...

Cirrus, que "biolência"

Nane disse...

Sabes o que ainda é pior?? É tu estares a educar o teu filho perante pais como esse que tu mencionaste, e seres chamado de Hitler!! (por dar educação!)
:(

Catsone disse...

Nane, mas tu és mesmo...









:D